Presidente da Argentina diz que brasileiros vieram da selva

Em encontro com premiê da Espanha, Alberto Fernández disse: 'Os mexicanos vieram dos indígenas, os brasileiros, da selva, e nós, chegamos em barcos'

Comentar
Compartilhar
09 JUN 2021Por Folhapress18h36
Em encontro na manhã desta quarta-feira com o premiê da Espanha, em Buenos Aires, o presidente argentino, Alberto Fernández, disse que "os mexicanos vieram dos indígenas, os brasileiros, da selva, e nós, chegamos em barcos".Em encontro na manhã desta quarta-feira com o premiê da Espanha, em Buenos Aires, o presidente argentino, Alberto Fernández, disse que "os mexicanos vieram dos indígenas, os brasileiros, da selva, e nós, chegamos em barcos".Foto: Reuters/AB

Em encontro na manhã desta quarta-feira com o premiê da Espanha, em Buenos Aires, o presidente argentino, Alberto Fernández, disse que "os mexicanos vieram dos indígenas, os brasileiros, da selva, e nós, chegamos em barcos". "Eram barcos que vinham da Europa", afirmou, apontando para Pedro Sánchez. Depois, referendou: "O meu [sobrenome] Fernández é uma prova disso".

O líder argentino acreditava fazer menção a uma frase incorretamente atribuída ao escritor mexicano Octavio Paz (1914-1998), Nobel de literatura em 1990, no qual ele teria discorrido sobre a raiz asteca dos mexicanos e a origem inca dos peruanos. Porém, confundiu-se, e a frase é, na verdade, parte de uma canção do compositor Litto Nebbia.

Figuras públicas e políticas argentinas com frequência cometem o que a imprensa local costuma chamar de "gafe". A frase racista, no entanto, revela um traço cultural profundo que minimiza ou mesmo nega a raiz mestiça da população argentina.

Declarações do tipo já foram feitas por diferentes membros de partidos e classes sociais e intelectuais.

O escritor argentino Jorge Luis Borges, por exemplo, dizia que "os argentinos são europeus nascidos no exterior". Agora foi a vez do peronista Fernández, que se apresenta como um nome de centro-esquerda e que tem vínculos com organizações que defendem as minorias e os indígenas.

DESCULPAS

O presidente argentino, Alberto Fernández, pediu desculpas nesta quarta-feira, 9, por ter dito que mexicanos vieram dos índios, brasileiros vieram da selva e argentinos, de barco da Europa. "Eu não quis ofender ninguém", afirmou em sua conta oficial no Twitter. A declaração foi feita durante um encontro com o premiê da Espanha, Pedro Sánchez.

"Afirmou-se mais de uma vez que 'os argentinos descendem de navios'. Na primeira metade do século 20, recebemos mais de 5 milhões de imigrantes que viviam com nossos povos nativos. Nossa diversidade é um orgulho", escreveu o presidente argentino em seu Twitter. "Eu não quis ofender ninguém, em qualquer caso, peço desde já desculpas a quem se sentiu ofendido ou invisibilizado."

Na reunião com Sánchez, Fernández creditou sua inspiração a uma frase erroneamente atribuída ao diplomata mexicano e Prêmio Nobel da Paz Octavio Paz, que teria dito "os mexicanos são descendentes de astecas, os peruanos dos incas e os argentinos dos barcos".

Meios de comunicação locais, no entanto, identificaram que o trecho vem de uma música chamada Llegamos de los barcos, do cantor argentino Litto Nebbia, que diz exatamente as mesmas palavras.

O momento foi registrado em vídeo publicado no Twitter oficial da Casa O momento foi registrado em vídeo publicado no Twitter oficial da Casa Rosada. A declaração pode ser ouvida a partir dos 19 minutos.

Embora grande parte da população argentina seja composta por descendentes de imigrantes, muitos deles vindos da Europa no século 19 e 20, o país tem uma importante herança indígena, que mescla as culturas incas, mapuches, patagônicas entre outras etnias. O país também teve mão de obra africana durante seu período colonial.

Na segunda metade do século 19, a Campanha do Deserto (1878-1885), liderada pelo general Julio Argentino Roca, conquistou as estepes do sul do país, amplamente povoada por povos originários. A maioria deles foi aculturada, morta e submetida a trabalhos forçados. Muitos dos escravos afroamericanos argentinos também morreram durante a Guerra do Paraguai (1864-1870).

.