Após quarto veto, Pato se vê prejudicado por multa "fora do padrão"

Em vez de se lamentar, como fazia anteriormente, o atacante criticou os moldes em que foi feito o acordo, no qual se definiu também a divisão do pagamento de seu salário entre os dois clubes

Comentar
Compartilhar
10 MAR 201514h52

Vetado no domingo novamente de um clássico contra o Corinthians, Alexandre Pato pela primeira vez reclamou da multa de R$ 5 milhões (estabelecida no contrato de empréstimo) que o impede de enfrentar o ex-time. Em vez de se lamentar, como fazia anteriormente, o atacante criticou os moldes em que foi feito o acordo, no qual se definiu também a divisão do pagamento de seu salário entre os dois clubes.

"São fora do padrão para um futebol verdadeiro. O Luis (Fabiano) até comentou que na Europa isso não existe. Joguei no Milan, conheci outros jogadores que passaram pelo momento que estou passando e nunca tiveram esse problema. Para o espetáculo, acho que todos os jogadores deveriam jogar. Eu queria jogar, mas vamos ter que enfrentar isso", disse, nesta terça-feira, dois dias depois de ter visto de casa a derrota por 1 a 0 no Morumbi.

Esse foi o quarto duelo do qual ele não pôde participar frente ao Corinthians. Na temporada passada, ficou fora das duas partidas do Campeonato Brasileiro. Em 2015, antes de ser desfalque no Estadual, já havia sido impedido de atuar na estreia da Copa Libertadores.

Alexandre Pato pela primeira vez reclamou da multa de R$ 5 milhões que o impede de enfrentar o ex-time (Foto: Reprodução/Facebook)

"É ruim, porque você vem em sequência, e também porque pode ser que a gente se encontre também em semifinal ou final de Paulista ou da Libertadores, e eu não poderei jogar. Só no Brasil existe isso. Eu tenho que conviver e aceitar", falou o atual artilheiro do São Paulo (autor de oito gols em oito jogos oficiais), que foi sacado da equipe em fevereiro para que o técnico Muricy Ramalho testasse outras opções antes do clássico.

"Isso pesa bastante para a Seleção (Brasileira)", comentou Pato, que não figurou na última convocação de Dunga. "São jogos importantes que podem demonstrar sua força. Mas a Seleção é um objetivo que não vou desistir. Vou lutar cada vez mais. Sei da importância que é vestir a camisa da Seleção e não vou desistir. Vou trabalhar para que em todas as oportunidades que tiver, além do Corinthians, continuar fazendo aquilo que venho fazendo, que são gols".

Voltar ao time nacional, para o qual não é chamado desde setembro de 2013, é um de seus principais objetivos. Durante as férias, ele fez um pacto com o irmão e prometeu que voltaria a vestir a camisa verde-amarela neste ano. Convencido de que não será diante do ex-clube – com quem tem contrato até o fim de 2016 - que ele mostrará serviço, o goleador precisa se contentar em encarar equipes como o São Bento, adversário de quinta-feira, no Morumbi.