Santos

Com recorde de visitantes, turismo na Espanha cresce e país passa os EUA

Segundo os dados do Ministério do Turismo espanhol divulgados nesta quarta-feira (10), o número de visitantes aumentou 8,9% nos primeiros onze meses de 2017 em relação ao mesmo período de 2016

Comentar
Compartilhar
13 JAN 2018Por Folhapress00h31
A Catalunha continua como principal destino do país, recebendo 18,2 milhões de visitantes em 2017Foto: Divulgação

O número de turistas estrangeiros que visitaram a Espanha em 2017 cresceu pelo quinto ano consecutivo, fazendo o país se tornar o segundo mais visitado do mundo.

Segundo os dados do Ministério do Turismo espanhol divulgados nesta quarta-feira (10), o número de visitantes aumentou 8,9% nos primeiros onze meses de 2017 em relação ao mesmo período de 2016. Os dados de dezembro ainda não foram fechados, mas a previsão do governo é que a taxa de crescimento seja mantida, o que faria o país fechar o ano com 82 milhões de turistas.

Caso o número se confirme, a Espanha vai ultrapassar os Estados Unidos, que recebeu 76,5 milhões de pessoas em 2017, e ficar atrás apenas da França, com 89 milhões de visitantes por ano.

O gasto dos turistas também aumentou 12,4% segundo o governo espanhol e o setor já representa 11% da economia do país.

Os britânicos são a nacionalidade que mais visitou o país, com 18,4 milhões de pessoas, sendo seguidos pelos alemães (11,4 milhões) e pelos franceses (10,7 milhões).

Apesar de ter sido alvo de um ataque terrorista em agosto que deixou 16 mortos e da crise de independência, a Catalunha continua como principal destino do país.

De acordo com os dados, a região recebeu 18,2 milhões de visitantes, o equivalente a 23,4% do total de turistas, de acordo com o jornal espanhol "El País". Na sequência aparecem as ilhas Baleares (13,7 milhões de turistas), as ilhas Canárias (12,9 milhões) e a Andaluzia (11 milhões).

Desde o início da crise de independência com o plebiscito de 1º de outubro, porém, a Catalunha perdeu 96 mil turistas em relação a 2016, tendo queda de 2,6% em novembro e de 4,67% no mês anterior, de acordo com a publicação.

A votação, considerada ilegal pela Justiça espanhola, terminou com vitória dos separatistas com 90% dos votos e participação de 43% dos eleitores, e deu início a uma disputa política entre Barcelona e Madri.

Colunas

Contraponto