Embaixador chinês exalta relação com SP em anúncio de novos insumos

Embaixador disse que a autorização pela China para a exportação dos insumos da CoronaVac é uma questão técnica, e não política

Comentar
Compartilhar
26 JAN 2021Por Bruno Hoffmann - GSP12h40
Embaixador chinês Yang Wanming participa de coletiva do Governo de São PauloFoto: Reprodução/Governo de SP

Na manhã desta segunda-feira, o embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, participou da entrevista coletiva do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de forma remota, por um telão. O chinês saudou as boas relações entre a China e o estado de São Paulo. Pouco antes, o governador paulista havia anunciado que 5.400 litros de insumos para a fabricação da vacina CoronaVac foram liberados pela China e chegarão ao Estado em 3 de fevereiro.

O embaixador disse, em português, que a autorização pela China para a exportação dos insumos da CoronaVac, imunizante desenvolvido entre o Instituto Butantan e o laboratório chinês Sinovac, é uma questão técnica, e não política.

“As vacinas são uma arma para conter a pandemia e garantir a saúde do povo, e não um instrumento político”.

Além disso, Wanming afirmou que deverá haver uma demanda de longo prazo pela vacina, e “a parte chinesa está disposta a manter comunicações com o governo federal do Brasil, com o governo estadual de São Paulo e apoiar em conjunto a parceria entre o Sinovac e o Butantan”.

Na sequência, Doria exaltou a boa relação entre São Paulo e a China e destacou a criação há dois anos de um escritório comercial paulista no país asiático. Segundo ele, o escritório permitiu a entrada de recursos chineses no Estado, principalmente na área metroviária e ferroviária, e sugeriu que novos recursos deverão chegar em breve, em outros setores.

Instituto Butantan

Na coletiva, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, estimou para o dia 3 de fevereiro a chegada dos 5.400 litros de insumos importados da China para a produção da CoronaVac no Brasil.

O anúncio ocorre durante uma guerra de versões entre Doria e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a liberação dos insumos da CornaVac pela China. No dia anterior, o presidente publicou uma postagem adiantando a resolução com os chineses, parabenizando ministros do seu governo. Doria, na sequência, usou também as redes sociais para dizer que o Bolsonaro não estaria dizendo a verdade.

“Não é verdade o que disse o Presidente Bolsonaro em suas redes, de que a importação de insumos da China foi uma realização do Gov. Federal. Todo o processo de negociação com a China para liberação de insumos para a vacina do Butantan foi realizado pelo Instituto e pelo Gov. de SP”, escreveu o governador.