Com 679 mortes por covid em 24h, Doria pode decretar lockdown em todo o Estado

A situação é de tal forma preocupante que o governador João Doria (PSDB), não descartou adotar lockdown em todo o estado de São Paulo se os números da Covid-19 continuarem altos

Comentar
Compartilhar
16 MAR 2021Por Bruno Hoffmann - GSP19h47
*Imagem meramente ilustrativa.*Imagem meramente ilustrativa.Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O estado de São Paulo chegou a 679 mortes pelo novo coronavírus entre segunda e esta terça-feira. São Paulo nunca havia ultrapassado a marca de 600 mortes no período de 24 horas. Com isso, o território paulista tem neste momento 64.902 mil vítimas fatais pela doença desde o início da pandemia.

O recorde anterior tinha sido na última sexta-feira (12), quando houve 521 registros pela Secretaria de Estado da Saúde. A situação é de tal forma preocupante que o governador João Doria (PSDB), não descartou adotar lockdown em todo o estado de São Paulo se os números da Covid-19 continuarem altos

Com o crescimento das vítimas fatais, o governador João Doria (PSDB) afirmou na segunda (15) que não descarta endurecer ainda mais as restrições no Estado caso a atual fase emergencial não dê resultados. Segundo Doria, a fase mais aguda de restrições seria um lockdown.

De acordo com o Governo de São Paulo, o número de pacientes internados também é recorde, com 24.992 pessoas em hospitais do Estado. São hoje 10.756 pacientes em UTI e 14.236 em enfermaria. A taxa de ocupação no estado está em 90% e na Grande São Paulo já acumula 90,6%.

Na última segunda-feira entrou em vigor a fase emergencial do Plano São Paulo, com medidas mais duras de restrição a atividades econômicas e sociais, que se estende até o dia 30 de março, e tem como objetivo minimizar a sobrecarga em hospitais de todo o Estado, além de frear o aumento de novos casos, internações e mortes pelo coronavírus.

NÚMEROS CHOCAM

Os números chocam quando comparados aos do ano passado: no dia 20 de agosto de 2020, exatamente 679 pessoas morreram -mas em todo o Brasil.

Ou seja, só em São Paulo estão morrendo hoje diariamente um número de pessoas equivalente ao de todo o país no ano passado.

O médico João Gabbardo, que coordena o Centro de Contingência do Coronavírus em SP, postou em seu Twitter uma mensagem nesta terça (16) afirmando que o novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, "quando assumir vai se deparar com os piores números da pandemia. Recorde de óbitos hoje será em alta escala". Ele criticou as falas do novo comandante da Saúde, que descartou a possibilidade de lockdown (confinamento) no país.

O salto em São Paulo foi de 28,2% de uma semana para a outra.

A taxa de ocupação hoje de UTIs no estado é de 89%. Na região metropolitana, ela chega a 90%.
A situação segue crítica mesmo depois da abertura de 1.118 novos leitos nos últimos dez dias -cerca de 700 deles destinados às UTIs.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou na segunda (15) que não descarta endurecer ainda mais as restrições no estado para conter o avanço da Covid-19 caso a atual fase emergencial não dê resultados. Segundo Doria, a fase mais aguda de restrições seria um lockdown (confinamento).

O governador não especificou como seria o confinamento em São Paulo e disse que as decisões são tomadas pelo Centro de Contingência do Coronavírus, formado por mais de 20 médicos e cientistas.

"Não hesitaremos em adotar todas as medidas que forem necessárias para proteger a população de São Paulo. A população precisa seguir as orientações dos médicos para se protegerem, ficarem em casa e respeitarem esse período da fase emergencial para que não tenhamos que adotar restrições mais duras se tivermos recrudescimento dos índices de infecção no estado", afirmou o governador.

*Com informações também da Folhapress