Doria vira alvo de ataques em último programa dos candidatos ao governo de SP

Enquanto o tucano focou na própria biografia, Paulo Skaf (MDB) e Márcio França (PSB) miraram o rival

Comentar
Compartilhar
03 OUT 2018Por Folhapress11h05
Doria vira alvo de ataques em último programa dos candidatos ao governo de SPDoria vira alvo de ataques em último programa dos candidatos ao governo de SPFoto: Wilson Dias/Agência Brasil

O candidato ao governo de São Paulo João Doria (PSDB) se tornou o principal alvo de ataques no último programa de rádio antes do primeiro turno das eleições, transmitido nesta quarta-feira (3). Enquanto o tucano focou na própria biografia, Paulo Skaf (MDB) e Márcio França (PSB) miraram o rival.

Skaf, que aparece tecnicamente empatado com Doria nas pesquisas de intenção de voto, acusou o candidato de atacá-lo ao longo de toda a campanha e disse que o tucano afirmou 43 vezes que não deixaria a Prefeitura de São Paulo para disputar outro cargo. Por não cumprir o que prometeu, ele não merece ser votado, diz o emedebista.

Já Márcio França não nomeou o rival, mas fez várias criticas indiretas por meio de auto-elogios, em que destacou que cumpre a palavra, não trai os amigos, não é produto de marketing e não é feito de plástico.

A campanha do pessebista foi marcada pela desconstrução do tucano, que nos últimos programas passou a exibir uma mensagem que diz que França é o candidato em quem não votar.

O petista Luiz Marinho, por sua vez, não poupou críticas aos três adversários na disputa pelo eleitorado, se colocando mais uma vez como a única opção de renovação da política no estado. Marinho fez ainda um apelo contra o voto útil e disse ao eleitor que a campanha se decide "na urna e não nas pesquisas".

Ele fez menção à campanha eleitoral de 1998, dizendo que o partido não chegou ao segundo turno porque o eleitor foi induzido a votar em outro candidato.

Naquele ano, os principais candidatos ao governo eram Márcio Covas (PSDB), Francisco Rossi (PDT), Paulo Maluf (PPS) e Marta Suplicy (PT). Em pesquisa Datafolha antes do primeiro turno, Maluf estava a frente e os demais candidatos tecnicamente empatados dentro da margem de erro, com Rossi a frente, seguido por Covas e Marta. A margem, porém, foi ignorada por parte dos veículos que divulgaram o estudo, prejudicando a candidata do PT.