Berlusconi diz que Monti terá "poucos votos" em fevereiro

Ex-primeiro ministro da Itália criticpi o governo do tecnocrata Mario Monti ao dizer ter havido uma "verdadeira conspiração" para afastá-lo do poder.

Comentar
Compartilhar
29 DEZ 201216h39

O ex-primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, atacou neste sábado (29) o governo do premiê tecnocrata Mario Monti, ao dizer que houve uma "verdadeira conspiração" para afastá-lo do poder em novembro de 2011, quando o magnata renunciou ao cargo em meio à crise da dívida na zona do euro e às pressões. Berlusconi, de 76 anos, será candidato do seu partido de centro-direita, o Povo da Liberdade (PDL, na sigla em italiano) nas eleições de 24 e 25 de fevereiro, quando a Itália elegerá um novo Parlamento e o primeiro-ministro. Monti renunciou na semana passada mas ficará como interino no cargo até fevereiro de 2013, a pedido do presidente da Itália, Giorgio Napolitano.

Berlusconi disse, em declarações à imprensa local, que se vencer vai investigar a "conspiração" que levou ao seu afastamento. Ele também afirmou que Monti, que é senador vitalício e se aliou aos partidos de centro, como a União Democrática Cristã (UDC), terá "poucas votos" em fevereiro.

Berlusconi disse, em declarações à imprensa local, que se vencer vai investigar a

"Foi um verdadeira conspiração. Se vencermos, vamos instaurar uma comissão investigadora para examinar os fatos. Eu escutei ministros que disseram que estávamos à beira da falência. Isso foi uma mentira", disse Berlusconi. O ex-premiê viajou neste sábado de trem de Roma a Milão, dando entrevistas nas estações ferroviárias das duas cidades. A noiva de Berlusconi, a napolitana Francesca Pascale, de 26 anos, acompanhou calada as declarações do político. Monti não respondeu às declarações de Berlusconi. O premiê passa o feriado de final do ano em Veneza, em companhia da família.

As informações são da agência Ansa e do jornal Corriere della Sera.