Índia libera exportação e vacina de Oxford deve chegar ao Brasil no sábado

Avião do Instituto Serum partirá da Índia nesta sexta-feira; governo brasileiro aguarda recebimento de 2 milhões de doses de imunizante

Comentar
Compartilhar
21 JAN 2021Por Gazeta de S. Paulo19h20
Índia doou doses da vacina de Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19 para o NepalFoto: NIRANJAN SHRESTHA/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O governo indiano autorizou as exportações comerciais de vacinas contra Covid-19, de acordo com o secretário de Relações Exteriores da Índia, Harsh Vardhan Shringla. A informação foi dada em entrevista à agência de notícias “Reuters”. A partir disso, as primeiras doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca devem começar a ser enviadas ao Brasil nesta sexta-feira (22).

Anteriormente, o país apenas enviou remessas de vacinas gratuitas a países vizinhos. De acordo com o Consulado em São Paulo, um avião do Instituto Serum partirá da Índia na sexta e deve desembarcar no aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo, no sábado (23).

De lá, a carga será enviada para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, para ser etiquetada e armazenada.

Importação

A exportação de doses foi suspensa até o governo indiano iniciar o seu próprio cronograma de vacina no fim de semana passado. Então, após o início, o país enviou carregamentos gratuitos para países vizinhos, incluindo Butão, Maldivas, Bangladesh e Nepal.

A carga de 2 milhões de doses da vacina que o Brasil comprou do Instituto Serum estava enfrentando dificuldades para sair do país. Na quarta-feira (20), o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, afirmou que não havia prazo para receber as doses, mas negou que problemas políticos e diplomáticos com a Índia tenham atrasado a entrega.

"Em relação ao prazo para entrega das vacinas que estamos importando da Índia, eu não posso mencionar agora um prazo, mas queria reiterar que está bem encaminhado e que estou conduzindo pessoalmente as conversações com as autoridades da Índia", disse o chanceler brasileiro.