Caldeirão, Vila Belmiro rende quase 70% dos gols santistas no Paulistão

Se na parte da frente os atacantes cumprem muito bem sua função, atrás os beques não deixam a desejar: dos nove duelos na Vila, o Peixe teve sua meta furada apenas quatro vezes

Comentar
Compartilhar
28 MAR 201412h42

Classificado às semifinais do Campeonato Paulista, o Santos aparece com 100% de aproveitamento dentro da Vila Belmiro. Até aqui, foram nove partidas disputadas no caldeirão, totalizando 30 gols marcados, uma média de três por jogo, o que representa 69,7% dos tentos alvinegros na competição, são 43 ao todo. Corinthians, Botafogo-SP, Bragantino, Oeste e Ponte Preta foram os clubes que mais sofreram com o excelente rendimento do Peixe em casa. Só nestes confrontos, foram 23 gols anotados a favor dos santistas.

Se na parte da frente os atacantes cumprem muito bem sua função, atrás os beques não deixam a desejar: dos nove duelos na Vila, o Peixe teve sua meta furada apenas quatro vezes. “Temos um esquema tático muito ofensivo, mas procuramos voltar para marcar também. Estamos bem compactados e isso está dando resultado”, disse Gabriel, que já balançou as redes em sete oportunidades  no Paulistão, ao Arena Sportv.

Sob o comando de Oswaldo de Oliveira, não são apenas os atacantes que marcam para a equipe santista. Além de dividir a artilharia com Geuvânio, o jovem Gabriel está ao lado do meia Cícero, todos com sete gols marcados. Os zagueiros Jubal e Neto, os laterais Bruno Peres e Emerson, o volante Arouca e o meia Lucas Lima também já anotaram neste Paulistão. Na frente, Thiago Ribeiro, Leandro Damião, Stéfano Yuri e Diego Cardoso fecham a contagem.

Os números não param por aí. Contrastando com os 39 gols marcados na fase de grupos e os quatro nas quartas de final, os goleiros Aranha e Vladimir sofreram apenas 16 tentos. No próximo domingo, o Santos volta à Vila Belmiro para encarar o Penapolense, pela semifinal do Campeonato Paulista. “Com os pés no chão”, Gabriel não nega o favoritismo: “Dentro de casa, somos muito fortes”.

Inspirado, Gabriel já balançou as redes sete vezes no Paulistão e tem agradado o técnico Oswaldo de Oliveira (Foto: Divulgação/SFC)

Dono da melhor campanha do Estadual até aqui, caso passe à final vencendo o duelo no tempo normal, o Peixe fará o segundo e derradeiro jogo da decisão nos gramados da Baixada Santista. Se levar aos pênaltis, terá de torcer para que o Palmeiras seja eliminado pelo Ituano ou apenas empate durante os 90 minutos para ter a vantagem do mando de campo.