Entrada da Cidade

Temer pedirá ao Supremo acesso à decisão de Barroso

O receio da equipe presidencial é de que um recurso passe a mensagem pública de que ele queira esconder informações

Comentar
Compartilhar
06 MAR 2018Por Folhapress16h38
Temer informou que pediu ao Banco Central acesso aos extratos de suas contas bancáriasFoto: Divulgação/Fotos Públicas

O advogado criminalista Antonio Claudio Mariz, que defende o presidente Michel Temer, ingressará com petição para ter acesso a cópia do despacho do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso.

Ele informou ao emedebista que apresentará o pedido nesta terça-feira (6) e que não recorrerá da decisão de quebra do sigilo bancário do emedebista. O receio da equipe presidencial é de que um recurso passe a mensagem pública de que ele queira esconder informações.

Na segunda-feira (5), Temer informou que pediu ao Banco Central acesso aos extratos de suas contas bancárias e que as divulgará aos veículos de imprensa. A abertura dos dados financeiros foi solicitada no rastro da investigação de eventuais irregularidades cometidas na edição de um decreto do setor portuário.

Essa é a primeira vez que um presidente do país tem os seus dados financeiros abertos por decisão judicial durante o exercício do mandato. O período da quebra do sigilo é de janeiro de 2013 a junho de 2017.

Os extratos bancários serão organizados pela própria defesa do presidente, que pretende divulgá-los aos veículos de imprensa até o final desta semana.

A defesa do presidente avalia que não há fundamentos ou elementos que deem sustentação para a quebra do sigilo. Segundo o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, Temer está "contrariado" e "indignado".

"Não há como não se indignar diante do fato. É um inquérito fraco e inexistem indícios para uma decisão dessa. É uma decisão indevida", disse.

Ele afirmou que causou estranheza a falta de cautela da decisão em relação ao presidente.

Escalada

Segundo relatos, Temer tem reclamado de uma escalada jurídica contra ele desde que começou a ser cogitada a possibilidade dele disputar a reeleição neste ano.  

Para ele, faz parte dessa ofensiva, por exemplo, a inclusão de seu nome em inquérito da Operação Lava Jato que investiga os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral).  

Em conversas reservadas, ele demonstrou irritação com o pedido feito pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, de introduzi-lo na apuração.  

Nas palavras de um assessor presidencial, Dodge tem adotado postura semelhante a da presidente do STF, Cármen Lúcia, "ora se aproxima ora se afasta" do presidente.

Colunas

Contraponto