16h : 31min

Assine o Diário e o Santista por R$8 por mês no plano atual

Por Previdência, Temer deve antecipar discurso em cadeia nacional

A ideia é que o pronunciamento seja veiculado em cadeia de rádio e televisão antes da votação das novas regras para aposentadoria no plenário da Câmara

Comentar
Compartilhar
17 ABR 2017Por Folhapress20h00
Por Previdência, Temer deve antecipar discurso em cadeia nacionalFoto: Divulgação

Em um último apelo público pela aprovação da reforma da Previdência, o presidente Michel Temer considera antecipar discurso que fará em rede nacional de balanço de um ano à frente do Palácio do Planalto.

A ideia é que o pronunciamento seja veiculado em cadeia de rádio e televisão antes da votação das novas regras para aposentadoria no plenário da Câmara.

Pelo cronograma do governo, a expectativa é que a votação ocorra na primeira ou na segunda semana de maio, ou seja, antes de 12 de maio, quando a gestão peemedebista completa um ano.

Nas palavras de um assessor presidencial, a estratégia é tentar conseguir um apoio da iniciativa junto a setores da sociedade para reforçar a pressão sobre a base aliada, evitando novos atrasos na votação da proposta.

Com o mesmo objetivo, o Palácio do Planalto prepara uma nova campanha televisiva favorável à proposta para ser exibida a partir do fim desta semana.

O plano é abordar nas inserções televisivas os principais pontos do relatório, que será apresentado nesta terça-feira (18), reforçando o discurso de que a instabilidade do país pode se agravar sem a aprovação da medida.

No Dia do Trabalho, o presidente também gravará um vídeo defendendo a reforma trabalhista, mas ainda não decidiu se pretende exibi-lo em cadeia nacional ou apenas nas redes sociais.

SENADO

Para evitar mudanças na proposta no Senado, o líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), foi escalado por Temer para tentar blindar a ofensiva do líder do PMDB, Renan Calheiros (AL), sobre a base aliada.

A ideia é que, aprovado o texto na Câmara em maio, o presidente promova em junho um jantar com a base aliada para fazer um apelo pela manutenção da proposta aprovada.

Ele também pretende chamar Renan para um encontro na tentativa de se chegar a um acordo com ele, já que o líder do PMDB tem feito críticas públicas aos principais pontos da iniciativa.

Pelos cálculos feitos pelo Palácio do Planalto, só na bancada peemedebista, Renan tem influência sobre quatro senadores, entre eles Roberto Requião (PR), Katia Abreu (TO), Hélio José (DF) e Eduardo Braga (AM).

Colunas

Contraponto