Inscrição de portuário avulso aposentado é mantida pelo TSE

Milhares de trabalhadores avulsos aguardavam em expectativa por uma decisão favorável da justiça para retornar ao mercado de trabalho

Comentar
Compartilhar
04 NOV 201209h44

Em decisão polêmica que promete causar impacto em todos os portos do País cujos trabalhadores portuários são subordinados administrativamente pelo Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo), o Tribunal Pleno, que é o Órgão Especial do Tribunal Superior do Trabalho (TST), decidiu, por maioria de votos, rejeitar a arguição de inconstitucionalidade do art. 27, §3º, da Lei n.º 8.630/93, a chamada Lei de Modernização dos Portos, que estabelece o cancelamento da inscrição do trabalhador portuário avulso mediante a concessão da aposentadoria.

Desta forma o OGMO não mais poderá cancelar a inscrição do trabalhador portuário, cadastrado ou registrado, que se aposentar de forma espontânea em razão do tempo de contribuição. Por outro lado, permanecem inalteradas as regras para as aposentadorias concedidas por invalidez, as compulsórias e as de regime especial.
 
No julgamento, o Pleno do TST invocou o princípio da isonomia, especificamente previsto no Art. 7º, XXXIV, da Constituição Federal, bem como os fundamentos adotados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) ao declarar a inconstitucionalidade do art. 453 da CLT em relação aos trabalhadores com vínculo de emprego permanente.
 
Para o advogado Eraldo Franzese, a decisão corrige um dos grandes equívocos na legislação trabalhista. “Da mesma forma que a aposentadoria espontânea ou por tempo de contribuição não extingue automaticamente o vínculo empregatício, também não pode cancelar a inscrição dos trabalhadores portuários avulsos perante o Ogmo”, ressaltou.
 
A inconstitucionalidade do artigo da Lei dos Portos, que estabelece o cancelamento da inscrição do portuário avulso mediante a concessão da aposentadoria da nova legislação, vinha sendo alegada desde a criação (Foto: Arquivo/DL)
Pleno emprego
 
Patrono de vários sindicatos de trabalhadores portuários (Sindaport, Sintraport, Sindogeesp, Conferentes e Rodoviários), Franzese destaca os princípios constitucionais elencados pelo Pleno do TST. “Foram pautados pelo valor social do trabalho, pela existência digna e pela busca do pleno emprego, cujos preceitos devem alcançar também os trabalhadores portuários avulsos e não apenas os demais vinculados”, disse.
 
Ainda não publicada do Diário de Justiça, a decisão promete alterar o contingente de trabalhadores mantidos pelos órgãos gestores instalados nos portos organizados do País. Uma enxurrada de ações trabalhistas também deve ser lançada aos tribunais por aqueles que pretendem ser mantidos no sistema ou manifestem interesse em retornar à atividade portuária. Para tanto, o desligamento não poderá ultrapassar o prazo de dois anos contados a partir da data de desligamento do Ogmo.

Colunas

Contraponto