Alunos passam por exame de tracoma

A verificação é feita por profissionais da Seção de Vigilância Epidemiológica de Santos, da Secretaria Estadual da Saúde e de outras cidades.

Comentar
Compartilhar
08 NOV 201313h36

Alunos da rede municipal estão realizando exames nos olhos para detectar o tracoma, doença contagiosa que, se não tratada, pode levar à cegueira. A verificação é feita por profissionais da Seção de Vigilância Epidemiológica (Seviep) de Santos, da Secretaria Estadual da Saúde e de outras cidades da Baixada, exclusivamente pela observação da parte interna das pálpebras superiores, onde se aloja a bactéria responsável.

Quinta (7) foi a vez dos estudantes da escola Waldery de Almeida (Santa Maria) passarem pelo teste.

As unidades Avelino da Paz Vieira (Vila Nova), Therezinha Pimentel (Morro São Bento) e 28 de Fevereiro (Saboó) também serão contempladas com a ação, parceria dos governos federal e estadual e prefeitura.

Segundo a chefe da Seção de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde, Fabiana Loyde Wakai Jorge, a meta é examinar 7,5 % dos 11. 898 alunos do 1º ao 5º ano da rede.

Tratamento
O tratamento é feito com dose única de antibiótico. Caso não tratada, a doença pode levar à inversão dos cílios, que 'raspam' a córnea, deixando-a opaca e provocando cegueira. O tracoma pode ser confundido com conjuntivite e alergias e sua transmissão se dá por meio da secreção dos olhos com tracoma de uma pessoa para outra com o manuseio de objetos como lápis, caneta, borracha, maquiagem, toalhas, lenços, roupas de cama, geralmente em ambientes coletivos. Por isso, recomenda-se lavar as mãos e o rosto várias vezes ao dia e não coçar os olhos.