Serra recebe venezuelana que busca apoio internacional pela libertação de marido

Segundo Mitzy Capriles, seu marido está na cadeia unicamente por fazer oposição ao governo do presidente Nicolás Maduro, herdeiro político de Hugo Chávez

Comentar
Compartilhar
06 MAI 201518h03

O senador José Serra (PSDB-SP) recebeu nesta quarta-feira, 6, a mulher do prefeito de Caracas, Antonio Ledezma, preso desde fevereiro na Venezuela. Segundo Mitzy Capriles, seu marido está na cadeia unicamente por fazer oposição ao governo do presidente Nicolás Maduro, herdeiro político de Hugo Chávez.

"O drama do nosso país é que pensar diferente nos converteu em inimigos. Queremos respeitar a maneira de pensar de todos, mas também queremos que nos respeitem como opositores", disse Mitzy, que estava acompanhada de uma das filhas.

Serra afirmou que o Brasil deveria se posicionar sobre o que chamou de "quebras de regras do jogo democrático" e que o governo da presidente Dilma Rousseff é "pouco inteligente" em se negar a receber as mulheres dos venezuelanos. "Se houvesse mais inteligência política, eu não tenho dúvidas de que o governo deveria pelo menos receber as famílias de opositores presos", disse o tucano.

 José Serra recebeu a mulher do prefeito de Caracas, Mitzy Capriles (Foto: Divulgação)

Mitzy Capriles está no Brasil junto com Lilian Tintori, mulher de Leopoldo López, líder do partido Vontade Popular. As duas fazem uma viagem pela América Latina para buscar apoio internacional para a campanha pela liberdade de seus maridos. Elas têm sido recebidas por lideranças da oposição, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mas até agora não tiveram nenhum encontro com integrantes do governo. Na quinta-feira, terão um encontro com os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

A filha de Capriles, que também se chama Mitzy, como a mãe, disse esperar solidariedade de Dilma. "Esperamos muito deste governo porque a presidente sofreu muito na ditadura. Ela foi torturada, sabe muito sobre o que vivemos", disse.