Renan chama delação de Delcídio de 'delírio' e rebate nova investigação

O inquérito pede a investigação contra integrantes da cúpula do PMDB para apurar o suposto pagamento de propina na construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará

Comentar
Compartilhar
20 MAI 2016Por Folhapress21h00
Na nota, assinada pela assessoria de imprensa de Renan, ele volta a classificar a delação de Delcídio como um "delírio"Na nota, assinada pela assessoria de imprensa de Renan, ele volta a classificar a delação de Delcídio como um "delírio"Foto: Agência Brasil

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), reagiu nesta sexta-feira (20) ao novo pedido de abertura de inquérito contra ele feito nesta quinta (19) pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot ao STF (Supremo Tribunal Federal). Em nota, ele afirmou que as acusações são feitas por "ouvir dizer" e por "interpretações subjetivas".

O inquérito pede a investigação contra integrantes da cúpula do PMDB para apurar o suposto pagamento de propina na construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

A linha de investigação tem como base delações premiadas, como a do ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS) e de Luiz Carlos Martins, ligado a construtora Camargo Correa.

Na nota, assinada pela assessoria de imprensa de Renan, ele volta a classificar a delação de Delcídio como um "delírio" e diz que o ex-senador o envolveu por ele "fazer parte do time do Sarney". O peemedebista afirma ainda que "sempre esteve e continua à disposição para quaisquer esclarecimentos".

Além de Renan, são alvo da procuradoria: o ministro Romero Jucá (Planejamento), e os senadores Valdir Raupp (PMDB-RO) e Jader Barbalho (PMDB-PA). Todos negam envolvimento no caso.
Janot solicitou que eles passem a figurar como investigados em inquérito no Supremo que já apura a suposta participação do senador Edison Lobão (PMDB-MA), ex-ministro de Minas e Energia, com o esquema na usina.

Aos investigadores, Delcídio afirmou que ex-ministros operaram um esquema de desvio de dinheiro das obras da usina de Belo Monte. Os recursos teriam ido para campanhas do PT e do PMDB.

Delcídio afirmou que os ex-ministros Erenice Guerra e Silas Rondeau, do governo Lula, e Antônio Palocci, dos governos Lula e Dilma, movimentaram cerca de R$ 25 bilhões e desviaram pelo menos R$ 45 milhões dos cofres públicos diretamente para as campanhas do PT e do PMDB em 2010 e 2014.

O ex-senador disse que o "time" formado pelos senadores Renan Calheiros, Edison Lobão, Jader Barbalho, Romero Jucá e Valdir Raupp, exerceu um arco de influência amplo no governo, como no Ministério de Minas e Energia, Eletrosul, Eletronorte, diretorias de abastecimento e internacional da Petrobras, além das usinas de Jirau e Belo Monte.

Leia a íntegra da nota:

"Todas as imputações envolvendo o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) são por ouvir dizer ou fruto de interpretações subjetivas. O delírio do ex-senador Delcídio do Amaral, por exemplo, é por 'fazer parte do time do Sarney'.

O senador Renan Calheiros reitera que sempre esteve e continua à disposição para quaisquer esclarecimentos.

Assessoria de Imprensa

Presidência do Senado Federal"