“Guarujá vai à falência do jeito que está indo”

Pirani deixa o PDT oficialmente nesta segunda-feira, mas se filiou ao PRP na última sexta-feira, um dos poucos partidos de oposição na Cidade

Comentar
Compartilhar
20 FEV 201314h35

Há poucos dias do término do prazo para as filiações partidárias rumo às eleições municipais de 2008, ocorre mais uma mudança no cenário político de Guarujá. O presidente da Câmara Municipal, Carlos Eduardo Pirani, anunciou seu rompimento com o prefeito Farid Said Madi e sua pré-candidatura à Prefeitura de Guarujá.

Pirani deixa o PDT oficialmente nesta segunda-feira, mas se filiou ao PRP na última sexta-feira, um dos poucos partidos de oposição na Cidade. Pirani rompe a aliança política com Farid após quatro anos e meio compondo a bancada de sustentação do Governo nos Poderes Executivo e Legislativo. O presidente da Câmara foi secretário de Administração na atual gestão durante dez meses, em 2005.

Pirani que já pertenceu ao PFL até romper com o prefeito Maurici Mariano, em 2002. Presidindo a Câmara pela primeira vez como oposição na sessão ordinária da próxima terça-feira, Pirani disse que haverá surpresas, mas não adiantou quais serão.

DL – Após quase cinco de apoio por que você está rompendo com o prefeito Farid Madi?
Carlos Eduardo Pirani
- “Passei a apoiar o Farid desde que ele era pré-candidato à prefeito. Rompi com o Maurici Mariano, na época. “A gente formalizou propostas diante de várias classes sociais. Tiramos as propostas dos próprios munícipes e depois que o prefeito ganhou não cumpriu 90% das metas de Governo. Ficamos aguardando, dando sustentação, sempre acompanhando todos os projetos só que eu cheguei no limite de não poder suportar mais, porque as coisas não acontecem. Chega uma hora que não dá mais pra acreditar. Pena que o prefeito não realizou o que idealizou”.

DL – O que não foi cumprido durante essa gestão?
Pirani
– A inauguração do Hospital de Vicente de Carvalho, por exemplo, já foi adiada três vezes. Era hospital, aí virou maternidade, voltou a ser hospital de novo e até agora nada. Provavelmente ele não vai medir esforços pra inaugurar isso em época de campanha. O dinheiro que está sendo gasto na construção do novo Paço Municipal, R$ 5 milhões, poderia ser usado para equipar o hospital.

O plano de carreira do funcionalismo até hoje não saiu do papel. Na época em que eu era secretário eu disse ao Farid que primeiro era preciso corrigir algumas coisas para fazer o plano de carreira. De outubro de 2005, quando saí, até hoje não existe o plano. Na Saúde o que é prioridade para o prefeito não é prioridade para mim. Por exemplo, o hospital Dia. O que é prioridade? A distribuição de medicamentos ou compra superfaturada de latões de lixo a R$ 400 cada latão? O que é prioridade na Secretaria de Saúde? Insulina que falta para os diabéticos adultos e crianças ou mudas de plantas onde foi feito um pregão no valor de R$ 4,6 milhões?  

DL – Por que somente agora você decidiu romper com o prefeito, às vésperas do fim do prazo para filiação partidária?
Pirani
– Tomei essa decisão porque nasci aqui (Guarujá), sou um cidadão da Cidade, gosto da Cidade e a Cidade vai falir administrativamente, vai à falência do jeito que está indo. “Não posso dar mais credibilidade ao prefeito e à população precisa acordar como eu acordei”

DL – Qual sua avaliação da crise no Hospital Santo Amaro? O único cujo atendimento é 90% SUS, numa Cidade que tem 85% da população dependente do Sistema Único de Saúde? 
Pirani
– O repasse de R$ 350 mil ao Hospital esse mês não foi repassado ainda. Já houve greve. No ano que vem não haverá repasse. Acaba a intervenção e a situação vai ficar pior ainda porque a gente ainda não conseguiu inaugurar o Hospital de Vicente de Carvalho.

DL – Como você define a gestão de Farid Madi?
Pirani
– É uma péssima administração e de gestão dos recursos públicos. Eu senti que em um ano ele não vai consertar o que está errado e por isso eu não posso apoiar uma administração desse nível. O pregão de R$ 4,6 milhões para mudas de árvores, é um exemplo disso. Eu pretendia me candidatar só em 2012, mas diante da situação atual, antecipei minha decisão.

DL – O que você tem a dizer sobre o ‘mensalinho’? Esquema que envolve vereadores da Câmara cujo nome do prefeito também é citado no processo judicial?
Pirani
– Eu acho que cabe à Justiça decidir se eles são inocentes ou não. Inclusive foi criada uma comissão processante na Câmara para investigar o ‘mensalinho’. Essa comissão vai apresentar um relatório e os vereadores vão decidir. O presidente só coloca em deliberação e o plenário é que delibera. O meu rompimento se deve à má administração mesmo porque quanto às denúncias (contra o prefeito) ainda há provas, ainda estão investigadas.

DL – Você saiu do PDT porque não seria possível conseguir a legenda a prefeito?
Pirani
– Com certeza. Se o atual prefeito está no PDT não tem legenda pra prefeito.

DL - Por que o PRP?
Pirani
– O PRP foi o partido que eu procurei, onde fui bem recebido. Os ideais do partido combinam com os meus ideais de progresso com decência que a gente quer para o Guarujá. Foi muito rápido decidi na sexta-feira e foi o partido que meu deu garantia de legenda para a pré-candidatura à prefeito. O prefeito detém 17 partidos na sua mão, sob o seu controle e ficou muito difícil escolher um partido.

DL – Como você avalia a habitação no Município? 
Pirani
– As famílias da Vila Baiana que foram removidas e recebiam uma locação social da Prefeitura, me parece que elas estão com os aluguéis atrasados há alguns meses, mas não conseguimos Ter essas informações. São 140 famílias que aguardam a promessa de terem suas moradias. Talvez, no ano que vem o prefeito entregue as moradias perto da campanha.

DL – Qual o destino você acha que terão as 3.200 famílias do Sítio Conceiçãozinha e Prainha que também deverão ser removidas para conjuntos habitacionais?
Pirani
– Eu acho que a população não pode sair enquanto não tiver uma segurança. Sair de sua moradia só se for pra outra moradia. Se 140 ele já não está conseguindo sustentar, quanto mais 3 mil. É muito complicado

DL – Seu mandato de presidente termina no ano que vem. Quais seus planos de gestão? O Legislativo terá uma TV Legislativa?
Pirani
– A partir da semana que vem vou licitar, vou iniciar esse processo. Talvez (transmissão) em canal aberto e  fechado, ao vivo. Essa vai ser mais uma forma que eu vou utilizar para a população poder acordar. As pessoas poderão assistir as bancadas de oposição e de situação.

DL – Quanto à Rádio Câmara?
Pirani
– A Rádio Guarujá rescindiu o contrato. Fizemos a licitação e a Rádio Cultura ganhou e será homologada na segunda-feira.

DL – Qual será a postura do presidente da Câmara na sessão da próxima terça-feira, agora como oposição?
Pirani
– Naturalmente, como sempre fui, mas agora acreditando mais, com mais esperança. Agora eu sou pré-candidato à prefeito e me sinto preparado para administrar essa Cidade.

Resposta de Farid

O prefeito de Guarujá, Farid Said Madi, declarou, por meio de sua assessoria de imprensa, que lamenta a decisão tomada por Pirani, pois entende que ele passa “por problemas de instabilidade, problemas pessoais”. Farid acredita que “assim que ele superar os problemas, volte à base de apoio”. O prefeito concluiu que o receberá de “braços abertos”.