Câmara rejeita CEV que apuraria contrato terceirizado

Requerimento para criação de CEV encaminhado ao plenário da Câmara de Cubatão foi rejeitado na sessão de ontem

Comentar
Compartilhar
19 JAN 201320h10

Requerimento para criação de Comissão Especial de Vereadores (CEV) com a finalidade de apurar sobre a terceirização de serviços gráficos pela Prefeitura, encaminhado ao plenário da Câmara de Cubatão foi rejeitado na sessão de ontem.

O requerimento foi apresentado pelo vereador Geraldo Guedes que questionava a contratação de empresa se “a Prefeitura sempre contou com máquinários eficientes, profissionais experientes e dedicados na confecção de todo o tipo de material gráfico tais como: encartes, papéis ofício, memorandos, capas de processo e tantos outros usados no Executivo”.

Votaram a favor da CEV, além do autor, os vereadores Severino Tarcício da Silva (Doda) e Francisco Leite da Silva (Bigode). Segundo Guedes, a empresa vencedora do edital que presta os serviços à Prefeitura é a Uni Repro, que está sendo alvo de investigação do ‘mensalão do DEM’, no Distrito Federal, inclui um vídeo em que a diretora de uma empresa acusa o PPS de praticar chantagem e pedir propina para manter um contrato de R$ 19 milhões com a Secretaria de Saúde, comandada pelo deputado Augusto Carvalho, filiado ao partido. Parte do dinheiro, segundo o diálogo, teria sido destinada ao presidente da legenda, ex-deputado Roberto Freire (SP).

Crédito de R$ 28,5 milhões

Pautado na ordem do dia de ontem, o projeto de lei 006/2010 que autoriza o Executivo a abrir crédito suplementar de R$ 28,540 milhões para viabilizar o projeto do Cartão Servidor Cidadão recebeu emendas e retornou às comissões. A propositura volta ao plenário para votação em primeira discussão posteriormente.

Cinco vetos

Vereadores protestaram ontem contra cinco vetos do Executivo a seus projetos e de colegas. Uma das matérias, vetada integralmente, de autoria de José Roberto Azzoline Soares, o Alemão, autorizava o Executivo a conceder benefícios a doadores de sangue. Já o projeto de lei de Donizete Tavares do Nascimento, que dispunha sobre a obrigatoriedade de empresas que prestam serviços ao Município licenciarem seus veículos na Cidade, obteve veto parcial do Executivo.

Casamento Comunitário

Já o projeto de lei 003/2010 do Executivo que institui o casamento comunitário no Calendário Oficial do Município foi aprovado ontem primeira discussão. A propositura que prevê a realização do evento todo mês de maio retorna ainda ao plenário para discussão e votação final.