Alckmin diz que não conhecia Paulo Preto, suspeito de ser operador do PSDB

Em março, a Lava Jato denunciou o ex-diretor por desvio de R$ 7,7 milhões, entre 2009 e 2011

Comentar
Compartilhar
06 ABR 2018Por Folhapress14h07
Alckmin diz que não conhecia Paulo Preto, suspeito de ser operador do PSDBAlckmin diz que não conhecia Paulo Preto, suspeito de ser operador do PSDBFoto: Divulgação/Fotos Públicas

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse que não conhecia o ex-diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, preso na manhã desta sexta-feira (6) sob acusação de corrupção nas obras do Rodoanel.

"Na realidade, no meu governo não teve nenhum problema [de corrupção]. Aliás, nós que investigamos. Foi a Dersa que investigou [as acusações de desvio de dinheiro] e levou ao Ministério Público", disse o governador nesta sexta (6) durante inauguração de quatro estações da linha 10-prata do metrô.

Em relação ao decreto de prisão do ex-presidente Lula, Alckmin disse: "decisão judicial se cumpre, se respeita. Todos têm direito à defesa. É constitucional, sagrado. Agora, decisão judicial tem que ser respeitada."

Em março, a Lava Jato denunciou o ex-diretor por desvio de R$ 7,7 milhões, entre 2009 e 2011. O recurso era destinado ao realojamento de famílias desalojadas pela Dersa para a construção do Rodoanel, obra realizada na gestão do tucano José Serra (2007-2010).

OUTRO LADO

Em nota, a defesa de Souza afirma que a prisão do ex-diretor da Dersa não está ligada à Lava Jato e faz parte das investigações sobre supostas irregularidades na construção do Rodoanel Sul.

Os advogados Daniel Bialski e José Roberto Santoro dizem que o mandado é uma medida arbitrária, sem fundamentos legais e desnecessária "diante do perfil e da rotina do investigado, sempre à disposição da Justiça".