São Paulo ganha 43 novos médicos legistas

Entre as atribuições dos médicos legistas estão autópsias em cadáveres, exumação de corpos, pesquisas necroscópicas, exames de corpo de delito e outros tipos de perícias

Comentar
Compartilhar
15 ABR 201411h39

O Estado de São Paulo acaba de ganhar mais 43 médicos legistas de 3ª classe que vão atuar em unidades do Instituto Médico Legal (IML) da Polícia Técnico-Científica. Os profissionais já começam a atuar nas unidades.

Os 43 médicos legistas, aprovados em concursos público, passaram por quatro meses de curso de formação na Academia de Polícia Civil Dr. Coriolano Nogueira Cobra (Acadepol).

Entre as atribuições dos médicos legistas estão autópsias em cadáveres, exumação de corpos, pesquisas necroscópicas, exames de corpo de delito e outros tipos de perícias.

Distribuição

Dos 43 formados, a maioria atuará no Núcleo de Perícias da Capital e da Grande São Paulo: seis para Capital e cinco na Região Metropolitana.

Os outros 32 serão destinados às regiões do interior: Araçatuba (5), Bauru (5), Campinas (5), São José dos Campos (4), Araraquara (3), Santos (3), Ribeirão Preto (2), São José do Rio Preto (2), Marília (1), Presidente Prudente (1) e Sorocaba (1).

O Estado de São Paulo acaba de ganhar mais 43 médicos legistas de 3ª classe (Foto: Divulgação)

SP Contra o Crime

As polícias Civil e Técnico-Científica estão selecionando candidatos para 3.981 vagas em diversos cargos, na maior contratação já feita na história das duas instituições.

Na Polícia Civil, são 1.384 investigadores, 788 escrivães e 129 delegados. Outros oito concursos abertos ainda vão selecionar peritos criminais (447), médicos legistas (140), técnicos de laboratório (84), fotógrafos técnico-periciais (120), desenhistas técnico-periciais (55), atendentes de necrotério (89), auxiliares de necropsia (145) e auxiliares administrativos (600).

As contratações fazem parte do “São Paulo Contra o Crime”, um conjunto de ações estratégicas, anunciado em maio do ano passado pelo governador Geraldo Alckmin, que visa diminuir os crimes e valorizar as polícias.

O investimento anual do Governo do Estado com as contratações será de R$ 305 milhões.