Quadrilha assalta empresa em Santos e faz transferências via Pix que somam R$ 25 mil

As transferências foram feitas no celular de uma das vítimas, que também teve o apartamento invadido

Comentar
Compartilhar
17 SET 2021Por Gilmar Alves Jr.16h23
O flagrante foi registrado no 3° Distrito Policial de Santos (Ponta da Praia)O flagrante foi registrado no 3° Distrito Policial de Santos (Ponta da Praia)Foto: Nair Bueno/DL

Uma quadrilha assaltou uma empresa de materiais recicláveis na Avenida Siqueira Campos, no Macuco, rendeu quatro pessoas e roubou diversos objetos, dentre eles celulares, sendo que um dos aparelhos foram feitas transações via Pix que chegaram a mais de R$ 25,3 mil. Os criminosos ainda invadiram o apartamento da dona do celular, que fica próximo à empresa. Dois deles foram presos em flagrante pela Polícia Militar.

A ação da quadrilha ocorreu por volta das 12h30 de quarta-feira (15). Após ser acionada, a PM conseguiu deter um dos acusados, de 28 anos, tentando fugir pelo telhado. O celular onde foram feitas as transações via Pix também foi encontrado no telhado.

Um outro envolvido no crime, de 38, foi preso na Avenida Afonso Pena, ferido. Ele foi internado na Santa Casa de Santos.

Com o homem capturado na Afonso Pena os PMs apreenderam um tablet, câmera digital, batons, chapinha, esmaltes e um casaco roubados do apartamento.

No 3° Distrito Policial (Ponta da Praia), o flagrante foi registrado sob as naturezas de roubo a estabelecimento comercial e associação criminosa.

As investigações prosseguirão objetivando identificar os demais envolvidos.

Limitações

O Procon-SP propôs ao Banco Central (BC) na quarta-feira (15) que a instituição apure qual o valor máximo utilizado pela maioria dos usuários da ferramenta e limite as movimentações a R$ 500 até que hajam mecanismos de segurança suficientes.

Implementado em novembro do ano passado, o sistema de pagamento instantâneo criado pelo Banco Central tem sido bastante utilizado pela população, mas também tem sido usado para aplicação de golpes por meio do WhatsApp, sequestros relâmpagos, problemas com QR Code, entre outros.