Delegados debatem situação da Polícia Civil na Baixada Santista nesta sexta (15)

Encontro será às 14 horas, no Palácio da Polícia

Comentar
Compartilhar
13 OUT 2021Por Da Reportagem20h20
Reunião desta sexta-feira (15) será no Palácio da Polícia, em SantosReunião desta sexta-feira (15) será no Palácio da Polícia, em SantosFoto: Divulgação/Polícia Civil

O Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp) fará uma reunião na próxima sexta (15), às 14 horas, no Palácio da Polícia, em Santos, para discutir o descaso do Governo do Estado com a Polícia Civil na região da Baixada Santista.

A visita é a segunda de uma série de 10, que vai abranger todo o estado. Na Baixada, o encontro será aberto a todos os delegados da região, com o objetivo de ouvir os profissionais sobre as principais dificuldades enfrentadas no trabalho diário e propor soluções.

“Algumas situações são comuns a todos os policiais, como os piores salários do Brasil pagos pelo governo de São Paulo, mas a Baixada enfrenta dificuldades a mais, porque a estrutura da Polícia Civil, que é precária em todo o estado, é ainda pior na região, basta ver a situação do próprio Palácio da Polícia”, aponta Raquel Kobashi Gallinati, presidente do Sindpesp.

Outra situação preocupante é a distribuição dos policiais na região, que tem grande quantidade de comunidades carentes e presença de facções criminosas.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

“Vamos ouvir os delegados e reunir propostas para apresentar um dossiê completo da situação da Polícia Civil de São Paulo e as necessidades características de cada região. O governo está promovendo um verdadeiro desmonte da polícia e a principal vítima é a população, que sofre sem segurança em seu dia a dia”, completa Raquel.

Atualmente, de acordo com o Defasômetro, ferramenta do Sindpesp que calcula o déficit de policiais civis no estado, a Seccional de Santos tem 80% de seus cargos ocupados, acima da média estadual, de 65%. Hoje faltam mais de 15 mil policiais civis em São Paulo, maior número desde o início do Defasômetro, em 2017.