Tite pede que FPF volte atrás em limite de jogadores no Paulistão

Segundo o treinador, seria um ato de "grandeza" a entidade reconhecer que errou ao alterar o regulamento da competição

Comentar
Compartilhar
30 JAN 201515h14

Tite pediu nesta sexta-feira que a Federação Paulista de Futebol (FPF) mude o regulamento do Campeonato Paulista, que começa neste sábado, e retire do texto o item que limita cada clube a inscrever apenas 28 atletas (25 jogadores de linha e três goleiros). Segundo o treinador, seria um ato de "grandeza" a entidade reconhecer que errou ao alterar o regulamento da competição. O Corinthians, entretanto, votou a favor a favor da regra no Arbitral do torneio.

"É uma sugestão e não uma crítica: abram inscrições para mais atletas. Na medida que a gente valoriza a Copa São Paulo e os atletas jovens, é contraditório você restringir e limitar o número de inscritos. Não existe lógica nisso. Meu pedido é para reconsiderarem essa medida. Vai ser melhor para todos os clubes e os atletas. Reconsiderar é grandeza", disse o treinador.

O Corinthians, que estreia no Paulista neste domingo contra o Marília, é um dos clubes mais prejudicados com a mudança no regulamento da competição. O clube conquistou a Copa São Paulo de Futebol Júnior no último domingo e vários garotos que se destacaram no torneio não terão oportunidade no time principal por causa da nova regra do Estadual. Atualmente, o elenco profissional do Corinthians já conta com 31 atletas.

Tite pediu que a FPF volte atrás no limite de jogadores no Paulistão (Foto: Agência Corinthians)

"Quando você limita, não exige mágica. Quando você abre o leque de opção, dá chance para os garotos. Se deixar aberto o número de inscritos não terá nenhum problema, inclusive para os clubes do interior. Não é um pedido para alguém tirar vantagem. É para o futebol ser melhor", afirmou Tite. "Se fosse uma situação que seria boa só para mim, eu não viria a público. Peço bom senso."

A federação resolveu mudar o regulamento Paulista justamente para evitar que os principais clubes do Estado escalassem seus times reservas no campeonato. No Conselho Arbitral, realizado em novembro do ano passado, apenas o São Paulo se opôs à alteração. Agora, vários dirigentes e treinadores estão criticando a decisão.

Colunas

Contraponto