No último jogo de Milton Cruz, São Paulo visita Inter reserva

Será a 11ª partida do coordenador técnico à frente da equipe desde a saída de Muricy Ramalho. Até aqui, foram sete vitórias e três derrotas

Comentar
Compartilhar
31 MAI 201513h04

O adiamento da apresentação de Juan Carlos Osorio no São Paulo dará a Milton Cruz a oportunidade de ser o treinador em mais um jogo. Às 16 horas (de Brasília) deste domingo, o interino comanda o time em duelo no Beira-Rio contra o Internacional, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro. A equipe gaúcha, classificada para a semifinal da Copa Libertadores, deverá preservar titulares.

Será a 11ª partida do coordenador técnico à frente da equipe desde a saída de Muricy Ramalho. Até aqui, foram sete vitórias e três derrotas. Apesar de duas delas terem sido eliminatórias (uma na Libertadores e outra no Estadual), seu trabalho recebeu elogios de parte da torcida e principalmente do elenco, que está ciente da possibilidade de ele ser convidado a trabalhar com as categorias de base depois de muitos anos como membro fixo da comissão técnica profissional.

"Independentemente do que acontecer, seria importante ele ficar por perto, porque entende muito de futebol. Se perder mais um cara assim, um cara muito importante, que criou esse São Paulo, que o fez vencedor, seria uma perda importante", disse Alexandre Pato, referindo-se à saída indiretamente forçada de Gustavo Vieira, gerente de futebol. Tanto o executivo quanto o coordenador não agradam ao presidente Carlos Miguel Aidar, ainda que o discurso seja outro.

Defensor do comandante, o atacante deverá ser titular na última partida de Milton antes de entregar o cargo a Osorio - o colombiano assumirá o trabalho na segunda-feira. O interino o testou ao lado de Luis Fabiano, na sexta-feira, em atividade com um jogador a mais na linha, e permaneceu entre os titulares quando ficaram apenas 11 atletas em cada time. O sacado foi justamente o centroavante.

O lateral direito Bruno, que sofreu uma pancada na panturrilha direita, tornou-se dúvida de última hora, mas deve jogar. Caso contrário, seu substituto será o improvisado volante Hudson. O zagueiro Rafael Toloi, apesar de ter se recuperado de trauma no ombro direito, provavelmente continuará fora, dando lugar a Paulo Miranda.

Milton Cruz entregará o cargo ao colombiano Juan Carlos Osorio, que será apresentado na segunda-feira (Foto: Rubens Chiri/SPFC)

Além da possível saída Luis Fabiano, outra mudança em relação à vitória contra o Joinville na última rodada é a ausência de Paulo Henrique Ganso, dispensado da viagem a Porto Alegre para resolver questões particulares. Caso mantenha a formação com cinco meio-campistas, o interino têm à sua disposição Wesley e o meia-atacante Centurión, recuperado de dores musculares, para a vaga do camisa 10.

Nesse sábado, Milton orientou um rachão vencido pelo time de Luis Fabiano, por 7 a 2, contra o de Rogério Ceni. O próprio centroavante marcou três e viu Carlinhos balançar a rede quatro vezes, com direito a gol de voleio. Do lado perdedor, o goleiro artilheiro deixou o seu, assim como Rodrigo Caio.

Para o Internacional, este é um momento de transição na temporada. Mas não uma transição em nomes ou estilo de jogo - afinal, o time vai muito bem até aqui -, e sim de foco: depois de se concentrar de modo intenso na Libertadores, o clube "vira a chave" para o Brasileiro, em que soma quatro pontos. Após eliminar o Santa Fe de forma dramática na última quarta-feira, a equipe gaúcha só voltará a jogar o mata-mata continental em julho, contra o Tigres, do México.

Enquanto os duelos com os mexicanos não chegam, a hora é de fazer um bom papel no certame nacional. Só que, mesmo não tendo jogo pela Libertadores no próximo meio de semana, o técnico Diego Aguirre deve poupar seus titulares do duelo com o São Paulo. O desgaste é o motivo. Como costuma exigir muito em termos físicos de seus atletas, o uruguaio só utiliza quem estiver com 100% de condições. Assim, deve dar descanso à maioria dos titulares.

Quatro deles são desfalques certos: D'Alessandro e Eduardo Sasha passaram por cirurgia na mão e tornozelo, respectivamente, e param por um mês. Já Nilmar sofreu uma forte pancada no queixo, no duelo com os colombianos, e também será preservado. O volante Aránguiz, por sua vez, se apresenta à seleção chilena.

Nomes como Alex e Rafael Moura, que entraram no decorrer da partida do meio de semana, têm boas chances de começar o jogo. A tendência é que Aguirre utilize como base o time que empatou com o Vasco, no Rio, sábado passado. As mudanças devem ser Alan Ruschel e Rafael Moura nos lugares de Géferson e Nilmar, que jogaram contra o Santa Fe. Na criação, uma vaga deve ser disputada por Vitinho e Taiberson.