Lateral do Timão observa reservas cabisbaixos, mas confia em Tite

Com um elenco cheio de opções, Tite se vê obrigado a deixar atletas como Douglas, longe da melhor forma, fora até do banco

Comentar
Compartilhar
13 FEV 201316h01

É difícil administrar um elenco como o do Corinthians, cheio de opções, especialmente na frente. Segundo Tite, seria muito mais cômodo ter 11 titulares definidos com garotos na reserva, mas a qualificação do grupo o obriga, por exemplo, a deixar Douglas, longe da melhor forma, fora até do banco.

“Você vê um ou outro cabisbaixo porque teve uma boa semana de trabalho e não entrou no jogo. A gente procura conversar, mas o pessoal tem a cabeça boa, aberta. São muitos atletas, e todos têm consciência da concorrência, não estão ficando na reserva de qualquer um”, comentou Fábio Santos.

Alexandre Pato, contratado por cerca de R$ 40 milhões, continua no banco. Sem condições de tirar Paolo Guerrero, o novo Cabecinha de Ouro, e cheio de cuidados para não melindrar Emerson, Tite não tem pressa em dar uma vaga na equipe ao camisa 7.

“O Tite sabe trabalhar isso muito bem, não só com o Pato. As opções são diversas do meio para a frente. O Pato vem de lesão e vai ter paciência, até porque está disputando posição com o Paolo, que não para de fazer gols e decidiu o Mundial”, disse Fábio Santos.

Fábio Santos espera ter mais descanso em 2013 com a promoção do garoto Igor à equipe profissional do Timão (Foto: Djalma Vassão/ Gazeta Press)

O lateral esquerdo é o único do time com concorrência praticamente inexistente. O Corinthians promoveu o garoto Igor, que agradou na primeira chance e deve ser observado em novas oportunidades, mas está longe de ameaçar o posto do camisa 6.

A expectativa é que o atleta de 19 anos ao menos permita o descanso de Fábio Santos quando isso for necessário. Na última temporada, Ramon saiu após a Copa Libertadores e deixou a posição sem nenhum reserva, com improvisações nas partidas em que o titular não pôde atuar.

“Ter ou não ter um concorrente não vai mudar a minha conduta. Eu trabalho sempre, não me sinto titular absoluto. É até bom ter um cara da posição para haver um revezamento. O ano passado foi bastante desgastante”, recordou Fábio, que defendeu o Timão em 61 jogos em 2012. Só Ralf, com 62, atuou mais.