Ídolo de Neymar, Robinho aconselha Joia a ir para o futebol espanhol

O Rei das Pedaladas acredita que Neymar teria melhores condições de desenvolver o seu potencial no futebol espanhol

Comentar
Compartilhar
12 MAR 201316h48

O atacante Neymar nunca escondeu a sua admiração por Robinho, atualmente no Milan (Itália). A Joia, que costuma se referir ao Rei das Pedaladas como um dos seus ídolos no futebol, inclusive vive situação parecida com a que Robinho atravessou, quando deixou o Santos e se transferiu para o Real Madrid (Espanha), em meados de 2005.

O Rei das Pedaladas, que deixou a Vila Belmiro após ser cobiçado por grandes clubes da Europa, acredita que Neymar teria melhores condições de desenvolver o seu potencial no futebol espanhol.

“Neymar é um jogador humilde e acho que seu futebol de toque de bola se desenvolveria na Espanha. Os dois anos em que joguei com ele, o Neymar estava muito bem e sabia respeitar seus companheiros”, disse Robinho, em entrevista à rádio espanhola Cadena Cope.

Apesar disso, o jogador rossonero evitou sair em defesa do seu ex-time como o destino certo para o craque santista. “Dei meu máximo no Real, mas os dirigentes na minha época não eram bons e sérios. Mas, agora, o Florentino Perez talvez seja o melhor presidente da história do clube. A Espanha é um país ótimo para jogar e que trata muito bem os brasileiros. Tenho grandes recordações de Casillas e Sergio Ramos. Eram pessoas muito boas”, comentou.

Robinho se transferiu para o Real Madrid (Espanha), em meados de 2005 (Foto: Carmelo Imbesi/Associated Press)

Mesmo com o Real Madrid sendo um dos interessados, o candidato mais forte a levar o futebol da Joia alvinegra para o Velho Continente é justamente o rival Barcelona.

Indagado se Neymar deveria deixar o Santos e seguir para o futebol europeu ainda este ano, antes da Copa do Mundo de 2014, Robinho se esquivou. “Só ele pode responder a esta pergunta”, resumiu.

O camisa 11 tem contrato com o Peixe até o término do Mundial no Brasil. Porém, com o forte assédio de grandes potencias da Europa, uma mudança de rumos não é descartada pelo próprio Neymar.