Ceni faz 40 anos e atinge idade 'tabu' no futebol em alto nível

Um dia antes do retorno do São Paulo à Libertadores, o goleir-artilheiro completa 40 anos e, apesar das dores, continua atuando em alto nível.

Comentar
Compartilhar
22 JAN 201316h00

As boas defesas na vitória de domingo sobre o Mirassol foram as últimas de Rogério Ceni aos 39 anos. Nesta terça-feira, véspera do retorno do São Paulo à Libertadores, o qual colaborou na decisão de renovar contrato por uma temporada, o goleiro-artilheiro fura a barreira dos 40 e, apesar das dores pela idade incomum no futebol, continua atuando em alto nível com as mãos e os pés.

A personalidade competitiva ajuda a entender sua longevidade nos gramados. Atleta desde pequeno – jogou tênis e voleibol antes de se encantar pelo futebol –, ele é exemplo de aplicação na equipe. Participa  dos rachões na linha e treina mais do que a maioria não somente por precisar de tempo maior de recuperação, mas também para aprimorar as cobranças de falta e pênalti, uma das virtudes que o diferenciaram em sua posição. Ao todo, são 107 gols em 1051 partidas com a camisa tricolor.

"Ele tem desempenhado suas funções sem nenhum questionamento a sua competência, apesar dessa idade, que é um tabu no futebol", elogia o vice-presidente João Paulo de Jesus Lopes.

Foi no dia 7 de setembro de 1990 que Rogério entrou pela primeira vez em campo no Centro de Treinamento da Barra Funda. (Foto: Divulgação)

Dida e Marcos, dos quais foi colega na conquista da Copa do Mundo de 2002, aposentaram-se antes dos 40 anos. O primeiro parou na metade de 2011, porém mais tarde reconsiderou a decisão e hoje está no Grêmio, aos 39. Já o ex-palmeirense largou mão em dezembro por não suportar mais conviver com lesões, situação que Ceni enfrentou menos – lesões graves, o são-paulino teve duas na carreira.

A primeira, em abril de 2009. Durante trabalho no CT, ele fraturou o tornozelo esquerdo, passou por cirurgia e voltou depois de pouco mais de quatro meses. Na pré-temporada de 2012, acusou incômodo no ombro direito, que precisou ser operado em razão de lesão ligamentar e no labrum (tecido fibocartilaginoso que dá mais estabilidade à articulação) e o impediu de atuar até julho. Por conta disso, cogitou encerrar a carreira ao fim do contrato, mas, à medida que o time foi crescendo no segundo semestre, mudou de ideia.

"Eu acho que sua boa forma física, por ser um excelente profissional, o ajudou a tomar essa decisão, além da oportunidade de jogar mais uma Libertadores", opina seu reserva, Denis.

Camisa 1 pode fazer sua última temporada pela equipe que defende deste 7 de setembro de 1990. (Foto: Site oficial/ SPFC)