Vereadores negros são menos de 12% na Baixada

Apenas 16 vereadores que se consideram da cor preta conquistaram vitória nas urnas no último domingo (15)

Comentar
Compartilhar
20 NOV 2020Por LG Rodrigues07h00
Débora Camilo (PSOL), Nego Walter (PSB), Jefferson Cezarolli (Podemos) e Adilson Junior (Progressistas) são alguns dos representantesFoto: Reprodução/Facebook

Dezesseis. Esse é o número de parlamentares eleitos no último domingo (15) para as nove Câmaras de Vereadores de toda a Baixada Santista que se consideram, de acordo com o portal das candidaturas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), como da cor/raça preta. Em uma data dedicada a se lembrar e celebrar o Dia da Consciência Negra, o Diário do Litoral decidiu fazer um levantamento sobre como está o cenário político regional para pessoas da cor em um País que tem o número mais elevado de negros em toda a América Latina e percebeu que a desigualdade nas Câmaras beira o cenário de 1 representante negro a cada 10 parlamentares.

Ao todo, Santos, São Vicente, Guarujá, Praia Grande, Cubatão, Bertioga, Itanhaém, Peruíbe e Mongaguá têm 136 cadeiras distribuídas por nove Câmaras. Destes 136 políticos, um total de 124 são do gênero masculino e apenas 12 do gênero feminino. Quando a estatística é separada por cor/raça, é possível observar uma distância grande entre os candidatos eleitos.

Um total de 73 vereadores se consideram no portal de divulgação de resultados do Tribunal Superior Eleitoral como brancos. Isso equivale a aproximadamente 53,67% de todo o Legislativo das nove cidades, mais da metade. Já os edis que se consideram como da cor/raça parda conquistaram 44 cadeiras, o que representa cerca de 32,35%.

No fim da fila, vêm os parlamentares da cor/raça preta, que somaram 16 vitórias nas urnas e somam a porcentagem de 11,76%, um dado próximo de pouco mais de um único vereador eleito para cada dez cadeiras diferentes. Um total de três candidatos que conseguiram uma vaga no Legislativo não informaram a qual cor/raça pertencem. Todos os três são de Itanhaém.

Ao se separar os dados cidade por cidade, o município de São Vicente foi o que elegeu mais negros, um total de cinco cadeiras da Câmara serão ocupadas por eles a partir do dia 1º de janeiro de 2021: Jefferson Cezarolli (Podemos), Dercinho Negão do Caminhão (MDB), Wagner Cabeça (PSL), Professor Thiago Alexandre (DEM) e Jatobá (Podemos).

O eleitorado santista elegeu mais dois candidatos: Débora Camilo (PSOL) e Adilson Junior (Progressistas). Em Guarujá, Nego Walter (PSB) e José Nilton Doidão (PSB) obtiveram vitória nas urnas. Praia Grande terá Paulo Monteiro (Republicanos) e Whelliton Silva (PL).

Bertioga viu mais dois parlamentares da cor/raça preta vencerem o páreo: Macário (PSD) e Guarujá (Republicanos). Peruíbe terá apenas Adilson da Taxi Van (PSB), enquanto Mongaguá contará no próximo ano com Pelé da Cocheira Morcegão (PSDB) e Guinho (Republicanos). Tanto Cubatão quanto Itanhaém não tiveram vencedores da cor especificada.

Em outros números, o município de Cubatão é o que mais terá vereadores pardos: 11. Já a cidade de Santos terá o maior número de políticos brancos no Legislativo com 14.

De acordo com informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a pesquisa sobre cor ou raça da população brasileira se dá com base na 'autodeclaração'. Ou seja, as pessoas são perguntadas sobre sua cor de acordo com as seguintes opções: branca, preta, parda, indígena ou amarela. Para a classificação da instituição, todas as pessoas pretas e pardas integram o mesmo grupo de raça/cor.

De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2019, 42,7% dos brasileiros se declararam como brancos, 46,8% como pardos, 9,4% como pretos e 1,1% como amarelos ou indígenas.

Segundo dados da Agência Senado, em 2020 foi a primeira vez que os candidatos negros passaram a ser o maior grupo de postulantes a cargos eletivos no país desde que o TSE passou a coletar informações de raça, em 2014. Ao todo, 276 mil candidatos pretos ou pardos se registraram para concorrer no pleito, o equivalente a 49,9%.

Esta também foi a primeira disputa eleitoral em que os partidos tiveram que cumprir regras sobre os repasses de verbas do Fundo Eleitoral para os candidatos negros, com a destinação proporcional a esse grupo dos recursos de financiamento de campanha e do tempo de propaganda eleitoral gratuita na TV e no rádio. Mas a divisão só foi confirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no início de outubro, após o início das campanhas eleitorais. E a prestações de contas dos partidos apenas são analisadas pela Justiça Eleitoral após a disputa.