Rapaz aguarda autorização da Unimed Santos há 5 dias

Plano de saúde alega que requerimento está em análise. A semana foi um misto de nervoso e conformismo para o paciente, que se viu impotente diante da situação

Comentar
Compartilhar
11 ABR 201422h33

A queda de um skate e uma fratura na mão têm custado tempo e paciência de Paulo Villaça Souza, internado desde segunda-feira em um hospital de São Paulo. Até ontem, ele ainda não havia sido operado, porque a Unimed Santos, seu plano de saúde de origem, não havia autorizado o procedimento.

A semana foi um misto de nervoso e conformismo para o paciente, que se viu impotente diante da situação. Paulo foi internado no Hospital Santa Rita na segunda-feira, 7, com uma fratura de falange na mão direita. A cada dia que passava, o setor de controle de internados o avisava que a cirurgia ainda não tinha sido autorizada.

Na esperança de que o procedimento seja realizado, Paulo entra em jejum todos os dias, das 7 às 17 horas. De segunda à sexta-feira, ele só se alimentou ao final da tarde, quando era informado de que, mais uma vez, não seria operado.

A enfermeira que está acompanhando a internação de Paulo, Ione Rocha, conta que ele passou alguns dias impacientes, mas ontem já parecia conformado com a demora. “Hoje (ontem) ele está mais tranquilo, já não reclama mais tanto da demora da cirurgia”, diz.

Paulo Villaça Souza está internado com fratura exposta na falange desde a última segunda-feira, dia 7 (Foto: Divulgação)

O Diário do Litoral entrou em contato, primeiro, com o hospital Santa Rita. Luana Nicastro, que respondeu em nome do hospital, explica que o procedimento cirúrgico depende da autorização do plano de saúde do paciente. Paulo é vinculado ao plano de saúde da Unimed Santos, que atende determinados procedimentos em todo o País.

Internado em São Paulo, a Unimed Paulistana foi acionada para buscar a autorização para a cirurgia da Unimed Santos. Líder do setor de controle de internados da Unimed Paulistana, Adriano da Silva Alves conta que o pedido para a liberação da operação foi expedido pelo plano da capital paulista no dia 9. Sem resposta até ontem, ele diz que liga todos os dias à Unimed Santos cobrando um posicionamento sobre a situação. “Como o caso do Paulo é de um intercâmbio, assim nós chamamos quando o paciente tem um plano de uma determinada cidade, mas precisa de um atendimento de emergência fora do município do plano de origem, nós (da Unimed Paulistana) não temos autonomia para autorizar o procedimento”.

Já a Unimed Santos nega que tenha recebido o pedido de autorização para o procedimento de Paulo na quarta-feira, dia 9. Segundo sua assessoria de imprensa, a requisição chegou na quinta-feira, por volta das 17 horas.

A liberação para a cirurgia está em análise, alega o plano de saúde, e depende do levantamento de custo e aquisição do material a ser usado no procedimento.

Questionado sobre previsão para a realização da operação, o plano de saúde não se comprometeu em dar prazo, no entanto afirma ao DL que será dada prioridade ao caso