Projeto Ondas atende crianças com mais qualidade em novo local

ONG mudou-se para uma casa mais espaçosa e com piscina.

Comentar
Compartilhar
24 ABR 201412h26

O Projeto Ondas: Surf e Cidadania, tem a praia da Enseada, a maior de Guarujá, para a prática do surf. Porém, para o exercício da cidadania, a organização não-governamental precisava de um local maior para funcionar. A Prefeitura de Guarujá atendeu esta necessidade e, desde junho do ano passado, o projeto esta em um endereço maior e próprio para as atividades.

O Projeto Ondas saiu do Centro Esportivo Duque de Caxias - Tejereba e foi para uma casa localizada na Avenida da Saudade, nº 149. O local foi cedido pela Prefeitura de Guarujá no ano passado, a qual tem subvenção estabelecida com a ONG desde 2009, por meio das Secretarias de Esporte e Cultura.

O presidente da entidade e bi-campeão brasileiro de surf, Jojó de Olivença, exalta o apoio da Administração Municipal neste processo. “A parceria da Prefeitura sempre foi forte. No início, a Secretaria de Esportes [e Lazer] nos cedeu um espaço no Tejereba. Nós crescemos e precisamos de mais espaço. Agora, estamos aqui e atendemos as crianças com mais qualidade”, afirmou Jojó.

Projeto Ondas (Foto: Raimundo Nogueira/PMG)

A ONG dispõe agora de duas salas de aula para reforço escolar, uma para iniciação musical, palestras, administração, assistência social, cozinha, churrasqueira, piscina, almoxarifado e um amplo quintal.

O aluno Nicollas Novaes Santos, de 10 anos, gosta dos professores e não falta em nenhuma aula do Ondas. Ele disse que a aprendizagem melhorou após a mudança. “Temos uma sala para cada aula, como música e reforço. É tudo separado. Isto nos ajuda a aprender”, contou Nicollas.

A piscina é utilizada para iniciação na água, natação, recreação e treinamento para o surf. “No início do ano, separamos os alunos em grupos para trabalhar especificamente as deficiências de cada um. Com a piscina, podemos avaliar a técnica deles na água com mais precisão”, explica o professor Marco Antonio Couto e Silva.

Katarine da Cruz, de 8 anos, afirma que já está surfando melhor. “A minha técnica melhorou, principalmente na remada. Além disso, dá pra se divertir na piscina”, acrescentou ela.

O professor Silva acrescenta que o maior número de salas, a piscina e a proximidade com a praia otimizaram as aulas. “Agora, é possível ter mais atividades simultâneas e estar mais perto da praia economiza tempo. Temos um dia só para a prática de esporte. Enfim, tudo mudou”, concluiu.

Assistência - Outra vitória do projeto foi contratar uma assistente social por meio de parceria com a Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social. A assistente tem por função assessorar, atender, orientar e encaminhar as famílias, para cumprir o objetivo de fortalecer os vínculos familiares.

Segundo Josefa Álvares, assistente social, o ambiente acolhedor da ONG facilita o atendimento. “Os pais comparecem em todas as reuniões gerais e particulares porque se sentem valorizados e cuidados. Assim, trabalhamos para que eles não dependam dos nossos cuidados e tornem-se cidadãos”, explicou Josefa.

O presidente ratificou a declaração da assistente. “Os pais nos contam que os alunos chegam a chorar quando não podem vir. Eles tem grande paixão pelos educadores e vice-versa. Somos como uma grande família”, completou Jojó.