Papa destaca a figura de arcebispo Romero, após beatificação do salvadorenho

Oscar Arnulfo Romero "escolheu estar no meio de seu povo, sobretudo entre os pobres e oprimidos, ainda que às custas de sua vida", disse o pontífice

Comentar
Compartilhar
24 MAI 201514h09

O papa Francisco destacou neste domingo a figura do arcebispo salvadorenho Oscar Arnulfo Romero, declarado beato na véspera, de quem ressaltou a entrega total à causa dos pobres.

Romero "escolheu estar no meio de seu povo, sobretudo entre os pobres e oprimidos, ainda que às custas de sua vida", disse o pontífice. O arcebispo foi beatificado no sábado pela Igreja Católica em San Salvador, em uma emotiva cerimônia que elevou o sacerdote à categoria de beato e mártir da fé, 35 anos após seu assassinato.

Francisco lembrou de Romero durante a missa de hoje, nos balcões do palácio pontificial do Vaticano. No sábado, o Vaticano divulgou uma carta enviada pelo papa ao arcebispo de San Salvador, José Luis Escobar Alas, que foi lida no ato. O pontífice enfatizou que Romero "se distinguiu por uma particular atenção aos mais pobres e marginalizados".

O papa Francisco destacou a figura de arcebispo de Oscar Arnulfo Romero (Foto: Associated Press)

Mais de 250 mil pessoas estavam presentes na beatificação ontem. Este é o primeiro passo para uma possível canonização. Em vida, Romero foi amado pelos pobres, enquanto era criticado pelos conservadores, que o consideravam muito próximo de movimentos de esquerda nos tumultuados anos anteriores à guerra civil de El Salvador, que durou de 1980 a 1992.

O arcebispo foi morto com um tiro no coração enquanto celebrava uma missa em uma capela de um hospital do câncer, em 24 de março de 1980. No dia anterior, havia criticado militares apoiados pelos EUA por abusos contra civis. O assassino não foi identificado e ninguém foi processado pelo crime.