Família de brasileiro desaparecido no Peru oferece recompensa por informações

Artur Paschoali, de 19 anos, está desaparecido no Peru desde 21 de dezembro.

Comentar
Compartilhar
09 JAN 201307h14

Por recomendação policial, a família do brasiliense Artur Paschoali, de 19 anos, desaparecido no Peru desde 21 de dezembro, está oferecendo recompensa entre R$ 200 e R$ 400 a quem der alguma informação que permita a localização do rapaz. "Não há um valor estipulado, até porque não somos ricos. Mas a tática é válida para alcançar o máximo de colaboração e alguma pista nova. A região é perigosa e as pessoas são em geral carentes e fechadas", explicou Susana Paschoali, mãe de Arthur.

Desde o último dia 2 de janeiro, ela e o marido, Wanderlan Vieira, estão na cidade de Santa Teresa, onde o rapaz trabalhava há três meses, na região turística de Machu Picchu. A notícia da recompensa foi difundida por emissoras de rádio e redes sociais, mas não surtiu ainda o efeito desejado, aumentando a frustração dos familiares. Nesta terça-feira (8), três das quatro equipes de busca retornaram da montanha sem pistas do rapaz. Apenas uma equipe, da qual fazia parte o pai do garoto, ainda não havia retornado até o início da noite desta terça.

O Itamaraty designou um diplomata da embaixada brasileira em Lima para acompanhar as buscas junto com a família. O jovem desapareceu quando teria saído supostamente para tirar fotos de Machu Picchu, seguindo uma trilha que dá acesso à histórica cidade, conhecida como Caminho Inca. A mãe dele desconfia dessa versão porque o filho era muito precavido quando se tratava de ir a campo. "Até agora, não encontramos nenhum vestígio dele nos lugares onde se supunha que ele passou", disse Suzana. "Não sabemos mais o que pensar", lamentou.

O mais estranho, segundo ela, é que Artur saiu do alojamento em que vivia, no sótão do restaurante do hotel onde trabalhava, apenas com a máquina fotográfica e sem qualquer equipamento de fazer trilha. "Ele não levou saco de dormir, equipamento de acampar, nem mesmo o canivete ou o inseparável violão. É como se ele fosse ali rapidinho fazer uma foto para pôr no Facebook", relatou a mãe.