Estudo de viabilidade do sistema hidroviário será entregue em breve

Instituto de Pesquisas Tecnológicas apresentou atualizações dos dados em reunião do Condesb realizada na manhã de ontem, na Agem

Comentar
Compartilhar
29 ABR 201511h10

O estudo de viabilidade técnico-financeira para a implantação do sistema hidroviário na Baixada Santista deve ser entregue ao Departamento Hidroviário, da Secretaria de Transportes do Estado de São Paulo, nas próximas semanas. O projeto é desenvolvido pelo Instituto de Pesquisas Técnológicas (IPT).

A pesquisadora Mara Gandira, do IPT, apresentou as atualizações do estudo, ontem, durante reunião do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Baixada Santista (Condesb), na sede da Agência Metropolitana da Baixada Santista (Agem), em Santos.

O IPT está concluindo a primeira fase do projeto, que inclui o diagnóstico de informações existentes sobre o tema, visitas técnicas à prefeituras e aos possíveis locais de implantação dos terminais, modelagem de negócios, entre outros temas.

O diretor-executivo da Agem, Marcelo Bueno, destacou a importância da elaboração do estudo de viabilidade. “Nós vamos saber, à risca, se é possível ou não integrar o modal aquaviário aos demais transportes. Ele é um transporte complementar. Esses resultados serão discutidos dentro do Governo do Estado, no Departamento Hidroviário. É uma primeira modelagem de negócio para ver se a conta fecha, se há a possibilidade de fincarmos aqui um transporte que se sustente, não apenas financeiramente, como em termos estruturantes”.

Um dos entusiastas do sistema hidroviário, que é discutido na Agem desde 2013, Bueno mantém o otimismo quanto ao novo modal para a Baixada Santista. “Acredito que, nas próximas semanas, tenhamos bons resultados. É que ainda não foram concluídos. O Departamento Hidroviário tem, por escopo, informar dados concretos. Ele precisa analisar isso primeiro. O IPT coletou diversas informações, e agora, você precisa alinhar, tirar arestas, fazer revisões para que ele seja definitivamente apresentado à Região”.

Sistema iria ser complementar aos modais já existentes na Região (Foto: Matheus Tagé/DL)

De saída

Esta foi a última reunião do Condesb em que Marcelo Bueno participou como diretor-executivo da Agem. No comando da agência desde março de 2013, ele deixará o órgão. Em seu lugar assume Hélio Hamilton Vieira Junior, diretor-presidente da Cohab Santista.

Bueno falou sobre os dois anos à frente da Agem. “Foi um período de aprendizado. A gente pode colocar em prática muitos projetos da Região, fortalecer a nossa governança metropolitana, que é o que realmente falta para a Baixada Santista. Nós nos enxergarmos como todos nos veem. Uma região fortalecida, organizada e alinhada nas suas ações. Eu pude, de alguma forma, contribuir com isso”.

Entre os principais projetos realizados neste tempo, Marcelo Bueno destacou o desenvolvimento do Plano Metropolitano de Desenvolvimento Estratégico da Baixada Santista, o Sistema Hidroviário e o Plano Regional de Mobilidade, entre outros.

O diretor-executivo deixa o comando da autarquia para se dedicar à engenharia, sua área de atuação, e ao mestrado em Engenharia Mecânica pela FEI.