Dia Internacional dos Ciganos é celebrado com dança e artesanato na Praça Mauá

Mostrar a cultura cigana, desmistificá-la e manter viva a tradição foram os objetivos da celebração

Comentar
Compartilhar
09 ABR 201417h21

Um ato repleto de movimento, cor e alegria marcou o Dia Internacional dos Ciganos nesta terça-feira (8), na praça Mauá, Centro Histórico. Dança, artesanato, oráculo e exposição de fotos deste povo ao longo da história fizeram parte do evento promovido pela prefeitura, por meio da Secid (Secretaria de Defesa da Cidadania), com apoio do Conselho da Comunidade Negra de Santos.

Mostrar a cultura cigana, desmistificá-la e manter viva a tradição foram os objetivos da celebração. “Este dia foi dado pela ONU (Organização das Nações Unidas) e hoje é comemorado em todo o mundo. É um momento importante, pois ainda há muita discriminação. Somos cidadãos que merecem respeito”, disse Imar Lopes Garcia, representante da comunidade cigana Tsara Romai.

Para o coordenador de Promoção da Igualdade Racial e Étnica, da Secid, Jorge Fernandes, “todas as nações são contempladas neste evento, com a história dos ciganos”. A presidente do Conselho da Comunidade Negra, Tatiana Evangelista, falou da importância das políticas públicas se adequarem às especificidades deste povo. “Essas oportunidades aproximam as pessoas, quebram estereótipos e promovem a integração e a inclusão”.

Público aprovou

Passeando pelo Centro, Elizabethe Guedes, 59 anos, e Teresa Menezes, 60, foram surpreendidas pelo colorido das roupas e pela dança. Aproveitaram ainda para ver a exposição de fotos de ciganos em campos de concentração nazistas. “Eles foram muito perseguidos e este evento traz a cultura para perto das pessoas que estão na correria do dia a dia. Isso nutre a alma”, falou Elizabethe.

Teresa, que há 15 anos mora nos Estados Unidos e está em férias em Santos, também adorou. “Sou fascinada por dança e os ciganos criaram sua personalidade por meio dela. Santos sempre me surpreende com essas ações”.