X
José Renato Nalini

Evolução ou involução?

O otimismo acredita na perfectibilidade humana. A vocação da criatura racional seria tornar-se a cada dia um pouco melhor. Esse roteiro ainda reside na consciência das mães – principalmente elas – quando se encarregam do “currículo oculto”. O ensino daquelas palavras mágicas, hoje ausentes em inúmeras rodas: por favor, com licença, muito obrigado, perdão. 

Assistir ao comportamento generalizado de boa parte da população é desmentir essa crença. Não parece que a sociedade tenha evoluído, mas parece estar em acelerada involução. Mas não é por falta de material posto à disposição de quem queira se aprimorar.

Não é preciso recorrer a obras recentes, que são desprezadas quando catalogadas como de “auto ajuda”. Nem a modismos psicanalíticos, psicoterápicos ou de todas as tonalidades terapêuticas. Há obras muito antigas, que infelizmente caíram no oblívio e seria interessante encontrassem leitores. Pois são atemporais. Continuam atuais, embora escritas séculos antes da era Cristã. 

Pense-se, por exemplo, em “Ciropédia”, escrita por Xenofonte em 360 antes de Cristo. É obra emblemática da Paideia, a instrução que a civilização helênica oferecia à juventude da época. 

Embora o contexto em que escrita fosse recordar o sucesso de Ciro, fundador do Império Persa, o livro foi escrito cento e cinquenta anos depois da morte do personagem. Mas é um manual de observância de regras comportamentais garantidoras de uma existência saudável. 
O ideal para qualquer pessoa é cultivar a moderação, o autocontrole e a generosidade. Além disso, controlar a fome, a sede e os demais apetites, inclusive os sensuais. Uma recomendação instigante era o exercício da gratidão. A ingratidão conduz à imprudência, caminho que faz com que os homens perpetrem práticas indecorosas. O ingrato é um ser que abre as portas para acesso de todos os demais vícios. 

Atribui-se a Ciro admoestar seus comandados a respeito da abstenção a um prazer, para que a recompensa fosse decuplicada em seguida. O autocontrole é uma qualidade que denuncia excelente caráter. Assim como a misericórdia. Em lugar de abater o inimigo vencido, a clemência pode fazer dele um leal parceiro e aliado. A vitória há de ser comemorada com moderação. É próprio dos selvagens alegrarem-se quando infligem humilhante derrota aos adversários.

Quase quatro séculos antes de nossa era, os persas condenavam o deslumbramento. Algo que na segunda década do segundo milênio ainda parece acometer os que empolgam o poder e não conseguem se controlar. 

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

GUERREIRA

Itanhaém: catadora de recicláveis faz objetos para se manter

Há cerca de 25 anos, desde 1996, ela recolhe o material reciclável nas ruas, quando veio de São Paulo para morar em Itanhaém

REPROVADO

Válter Suman veta Vaquejada em Guarujá

Proposta de autoria do vereador Fernando Martins dos Santos (PSDB) havia passado na Câmara

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software