Nilton Cesar Tristão - O novo jogo de Alckmin

Poderemos nos tornar testemunhas oculares da circunstância inédita de empate quádruplo na disputa pela sucessão governamental na terra dos bandeirantes

Comentar
Compartilhar
26 JUL 2021Por Artigo13h13
Nilton César Tristão, cientista políticoNilton César Tristão, cientista políticoFoto: DIVULGAÇÃO

Geraldo Alckmin ocupou durante vinte anos o Palácio dos Bandeirantes, antiga propriedade do Conde Francisco Matarazzo e hoje sede do Governo Paulista, tanto na condição de Vice-Governador, como de Governador em exercício e Governador eleito; agora, pretende novamente lançar-se ao comando do executivo estadual. 

Trata-se de uma postulação essencialmente personalista com uma pitada de revanchismo, já que não há clamor popular ou partidário ao seu retorno. Tanto que estará em breve abandonando o PSDB, a agremiação em que edificou a maior parte de sua carreira e sucesso político para provavelmente ingressar no PSD, por justamente acreditar que não vencerá as prévias contra Rodrigo Garcia, o tucano de plumagem recém-adquirida. 

Sua estratégia para transmutar o chumbo do desejo em ouro do exercício de mandato, reside no entrelace político entre figuras como Márcio França, Paulo Skaf e Gilberto Kassab. Portanto, em 2022 o PSDB concorrerá ao Governo do Estado de São Paulo com dois candidatos, um dentro e outro fora do partido, o que, dada à devida proporção e adequação memorial, nos faz rememorar o período em que nos eram impostas as famigeradas legenda e sublegenda. Geraldo, conhecido pela preferência em postar-se próximo à meia-lua aguardando pacientemente a chegada da pelota, enfrentará João Doria, o líbero que corre incansavelmente por toda a extensão do campo durante os noventa minutos de partida. 

Importante salientar que, mesmo liderando a pesquisa realizada pela empresa GovNet & Opinião Pesquisa em parceria com a Gazeta de São Paulo e Diário do Litoral, Alckmin ostenta índices de intenção de voto poucos confortáveis e detém tamanho eleitoral semelhante ao de Doria, o que ocasionará possivelmente a igualdade técnica entre ambos (Geraldo X Rodrigo) até meados do segundo tempo. 

Contudo, a mesma resenha vale ao campo da esquerda, antes monopolizada pelo Partido dos Trabalhadores (PT), o qual doravante terá que disputar as preferências com o PSOL, capitaneado pela figura de Guilherme Boulos, o novo ícone da rebeldia libertária juvenil. Ou seja, com Alckmin, Garcia, Haddad e Boulos, poderemos nos tornar testemunhas oculares da circunstância inédita de empate quádruplo na disputa pela sucessão governamental na terra dos bandeirantes. 

Além disso, tal como existe a aspiração em âmbito nacional, não devemos desconsiderar o surgimento de uma terceira via que consiga romper com a polarização histórica para se inserir na contenda sufragista. Em outros termos, “nunca antes na história desse Estado” uma disputa esteve tão aberta e com o final imprevisível como nesse momento. Os velhos arquétipos que produziam prognósticos confiáveis se desmancharam no ar diante do aparecimento de esquemas táticos mais modernos, dinâmicos e imprevisíveis. 

Na eleição de 2018, mesmo possuindo de longe a maior estrutura do pleito, Geraldo Alckmin amargou 4,76% dos votos depositados na urna, ficando abaixo da quarta posição em oito entes federativos; Jair Bolsonaro sem tempo de televisão no horário eleitoral gratuito e filiado a um partido nanico, com 46,03%, quase venceu no primeiro turno; os altos níveis de desaprovação entre os paulistanos não impediram João Doria de bater Márcio França no escrutínio. 

Dessa forma, como aconselhei um amigo que pretende disputar uma eleição suplementar - “precisamos redefinir a forma como dialogamos com a população, repensar as ações que nos transforma em lideranças, requalificar o debate e reconstruir os pilares que unem a sociedade à sua representação institucional”. Principalmente, necessitamos captar os sinais e ruídos vindos de fora e compreender que antes de tornar-se a doença, o bolsonarismo era o sintoma febril. De resto, vamos em frente que atrás vem gente.

Nilton C. Tristão, Cientista Político
GovNet & Opinião Pesquisa