06h : 49min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Preço do descuido das contas públicas é pago pelo trabalhador, diz Temer

O presidente afirmou que, nesse contexto de crise fiscal, a confiança dos investidores e dos consumidores "ruiu", a inflação subiu, o risco Brasil disparou

Comentar
Compartilhar
21 NOV 2016Por Estadão Conteúdo19h01
Michel Temer afirmou que 'o preço do descuido das contas públicas é pago pelo trabalhador'Foto: Agência Brasil

O presidente Michel Temer afirmou nesta segunda-feira, 21, durante a abertura da primeira reunião do Conselhão de seu governo, no Palácio do Planalto, que para que a economia brasileira possa retomar o crescimento é preciso antes vencer a recessão. Segundo ele, somente após vencer essas etapas, será possível retomar o ciclo de retomada do nível do emprego, o qual ele reconheceu ser o dado "mais dramático" do governo hoje.

"Antes do crescimento é preciso vencer a recessão. Só após essa tarefa poderemos começar a crescer e, então, retomar o emprego. São fase inafastáveis", afirmou. Para o presidente, o governo federal partiu de "diagnósticos precisos" para começar essa retomada. O primeiro deles foi reconhecer que "nossa crise é de natureza fiscal". "Por muito tempo o governo gastou mais do que podia", disse.

Temer afirmou que, nesse contexto de crise fiscal, a confiança dos investidores e dos consumidores "ruiu", a inflação subiu, o risco Brasil disparou. Na avaliação dele, o preço do descuido das contas públicas é pago atualmente pelo trabalhador. "Este descuido é pago pelo trabalhador, que sente os efeitos da irresponsabilidade fiscal no bolso, na fila de emprego", destacou.

O presidente disse ainda que o crescimento só será retomado se o governo substituir o "ilusionismo pela lucidez". Para isso, afirmou, o governo está estimulando o diálogo franco e aberto. "É nesse espírito que buscamos empreender reformas que não podemos adiar", afirmou, citando a PEC que estabelece um teto para os gastos públicos como uma das principais reformas.

Juros

O diretor-presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, previu nesta segunda-feira que há condições estruturais na economia brasileira para queda na taxa básica de juros (Selic) ainda este ano. Isso porque, na avaliação dele, a inflação está sinalizando para patamares "bem confortáveis".

"Tem condições estruturais de uma queda de juros. A inflação está sinalizando para patamares bem confortáveis", disse em entrevista ao chegar à primeira reunião do Conselhão do governo Michel Temer, no Palácio do Planalto. Questionado se essa queda poderá acontecer na próxima reunião do Copom, respondeu: "Não sei".

Trabuco avaliou, porém, que a perspectiva de mudanças na política americana com a eleição do republicano Donald Trump para presidente dos Estados Unidos deixa mais estreita a janela de ajuste de juros no Brasil. "É evidente que a perspectiva de uma mudança da política americana do governo Trump faz com que nossa janela possa ficar mais estreita", disse.

O diretor-presidente do Bradesco previu que as variáveis da economia brasileira "sinalizam que o pior está ficando para trás". Ele afirmou que, nos últimos meses, apesar de alguns dados fracos, o Brasil aumentou o nível de confiança e esperança na retomada do crescimento econômico.

"Agora, é evidente que a gente vai enfrentar 2017 com um grande desafio, que é o desafio do crescimento. E encontrar os motores do crescimento acho que é o grande desafio que a sociedade tem com o governo para encontrar a retomada. Porque sem a retomada através do investimento privado a gente não vai ter um ciclo de geração de emprego", afirmou.

Ele disse esperar que a reunião do Conselhão promova uma "expansão da consciência do tamanho dos problemas que terão de ser resolvidos". "É expandir a consciência do grupo da emergência, do senso de urgência necessário para você virar uma página, que é a página do desajuste fiscal", afirmou.

Para Trabuco, os dados da economia, principalmente o nível de desemprego e da desaceleração do crescimento, é uma "consciência plena". "Aqueles que ainda duvidam disso, é só avaliar os dados da economia. "Aumentamos muito nos últimos meses o nível de esperança e de confiança. Evidente que agora precisamos ter capacidade de entrega."

Colunas

Contraponto

Construtora CredLar