Opinião de Dilma 'não faz a menor diferença', diz Doria

Em entrevista ao americano "Washington Post", publicada no mesmo dia, Dilma Rousseff citou Doria como um potencial Donald Trump brasileiro

Comentar
Compartilhar
20 ABR 2017Por Folhapress16h30
"Sinceramente, a opinião da ex-presidente Dilma não faz a menor diferença", disse o prefeito de São PauloFoto: Divulgação

"Sinceramente, a opinião da ex-presidente Dilma não faz a menor diferença", disse o prefeito de São Paulo, João Doria, nesta quinta-feira (20), em evento na Prefeitura.

Em entrevista ao americano "Washington Post", publicada no mesmo dia, Dilma Rousseff citou Doria como um potencial Donald Trump brasileiro. Ela também incluiu o pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSC-RJ) nessa categoria.

Segundo Dilma, é "muito possível" que o Brasil eleja um "outsider" em 2018, assim como os americanos escolheram o empresário em 2016.

"Há alguns anos, diria que é impossível. Agora, acho que é muito possível. Na verdade, posso apontar algumas figuras que se parecem com ele", afirmou.

O tucano Doria seria um bom candidato a Trump à brasileira, disse Dilma. Não é a primeira a fazer a comparação.

O "Washington Post" o descreve como um "empresário rico que já apresentou a versão de 'O Aprendiz' no país".

Em 1988, o atual prefeito de São Paulo chegou a entrevistar o hoje presidente dos EUA para a Folha de S.Paulo.

"'Falem mal, mas falem de mim'. Esta é uma frase que está na cartilha de Donald Trump, o mais jovem e audacioso empresário da era Reagan." Assim Doria começou sua reportagem.

Doria questiona Trump, um empresário que, como ele, já tomava gosto por holofotes: "Em seu livro, o sr. recomenda propaganda. Por que acredita tanto em propaganda?".

O hoje homem mais poderoso do planeta foi enfático. "Eu não recomendo publicidade propriamente dita, que é paga, mas acredito em promoção. Acho que uma história pequena, bem promovida, é mais efetiva do que uma página inteira de jornal."

Colunas

Contraponto