15h : 32min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Moro mantém Bendine na carceragem da PF em Curitiba

Bendine foi preso em 27 de julho na Operação Cobra, fase 42 da Lava Jato, por suspeita de propina de R$ 3 milhões da Odebrecht

Comentar
Compartilhar
09 AGO 2017Por Estadão Conteúdo17h30
Moro mantém Bendine na carceragem da PF em CuritibaFoto: Pedro de Oliveira/ALEP/Fotos Públicas

O juiz federal Sérgio Moro suspendeu, nesta terça-feira, 8, a transferência do o ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras Aldemir Bendine da carceragem da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, base da Operação Lava Jato, para o Complexo Médico-Penal em Pinhais, região metropolitana da capital paranaense. A transferência havia sido requerida pela polícia.

O Complexo de Pinhais é o local para onde são levados os prisioneiros da Lava Jato, condenados ou sob investigação. Bendine foi preso em 27 de julho na Operação Cobra, fase 42 da Lava Jato, por suspeita de propina de R$ 3 milhões da Odebrecht

A defesa de Bendine pediu a reconsideração da ordem de transferência do investigado. Nesta segunda-feira, 7, o Ministério Público Federal solicitou ao juiz que suspensse a transferência, solicitada pela PF.

"Diante do consenso entre as partes, suspendo a transferência de Aldemir Bendine da carceragem da Polícia Federal para o Complexo Médico Penal", decidiu Moro.

Defesa

Os advogados Pierpaolo Cruz Bottini e Cláudia Vara San Juan Araujo, que defendem o ex-presidente da Petrobras, haviam relatado que Bendine "tem uma filha que possui desordens psiquiátricas e que tem, como principal referência afetiva o pai", e que a transferência do preso poderia causar problemas à menina.

 

Colunas

Contraponto