21h : 54min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Ex-crítico de Temer, vice da Câmara pede votos contra denúncia

'Na Câmara, a gente não foi eleito pra ser promotor, juiz, delegado. Não se trata de um julgamento jurídico, mas político', disse Ramalho

Comentar
Compartilhar
07 JUL 2017Por Folhapress16h00
Fábio Ramalho defendeu nesta sexta (9) que a Câmara não aceite a denúncia contra o presidenteFoto: Antonio Augusto / Câmara dos Deputados

O deputado federal Fábio Ramalho (PMDB-MG), que foi uma das vozes críticas ao governo Michel Temer (PMDB) no início do ano, defendeu nesta sexta (9) que a Câmara não aceite a denúncia contra o presidente.

"Vocês sabem o problema que tive com ele [Temer] no início. [...] Não cabe a gente retaliar ele em nada", disse Ramalho durante reunião do PMDB mineiro em Belo Horizonte. "Não estamos defendendo Michel Temer, estamos defendendo um projeto de Brasil e de governo."

"Na Câmara, a gente não foi eleito pra ser promotor, juiz, delegado. Não se trata de um julgamento jurídico, mas político", disse Ramalho.

O deputado afirmou ainda que a questão jurídica pode esperar, mas as reformas são urgentes, referindo-se às reformas da Previdência e trabalhista. Em Brasília, deputados têm articulado um movimento para que o presidente da Casa, Rodrigo Mais (DEM-RJ), substitua o presidente.

O desentendimento entre Ramalho e o governo federal surgiu pela reivindicação de um ministério para a bancada mineira do PMDB. O deputado afirmou que Temer chegou a oferecer a pasta, mas a bancada preferiu não ampliar o número de ministérios.

O deputado federal Newton Cardoso Júnior (PMDB-MG), também presente na reunião, endossou Ramalho e afirmou ser preciso "preservar a liturgia do cargo" do presidente da República.

Segundo Newton Jr., a bancada do PMDB de Minas está unida na defesa de Temer.

Inimigo de Minas

O ex-governador de Minas Newton Cardoso, por sua vez, afirmou que Temer tem sido "inimigo de Minas".

"Temer vai cair porque não tem capacidade de organizar o país", disse.

Newton também criticou o senador Aécio Neves (PSDB-MG): "canalha, ladrão, vai ser preso".

Colunas

Contraponto