Entrada da Cidade

Técnico do PSG nega rixas por caso Neymar e evita previsão de volta

Preocupado em passar a imagem de que a questão foi resolvida sem desentendimentos, o técnico subiu o tom ao rebater informações divulgadas pela imprensa francesa

Comentar
Compartilhar
02 MAR 2018Por Folhapress11h56
O técnico do Paris Saint-Germain, Unai Emery, adotou uma postura conciliatória e evitou novos atritos nesta sexta-feira (2)Foto: C.Gavelle / PSG

Três dias depois de provocar polêmica ao dizer que era falsa a informação de que Neymar passaria por cirurgia, o técnico do Paris Saint-Germain, Unai Emery, adotou uma postura conciliatória e evitou novos atritos nesta sexta-feira (2).

Preocupado em passar a imagem de que a questão foi resolvida sem desentendimentos, o técnico subiu o tom ao rebater informações divulgadas pela imprensa francesa sobre rixas internas no clube.

"Muitas coisas que saem fora [na imprensa] não são verdadeiras. Cada vez temos que desmentir as coisas que saem. Estamos aqui para proteger uns aos outros. Internamente estamos muitos fortes. É normal que saiam estas notícias na imprensa. Quando você tem um jogador importante como Neymar, é normal enfrentar tudo isso. Mas a nossa comunicação é muito boa", afirmou.

O jornal Le Parisien publicou nesta sexta que Unai Emery e a equipe médica do clube vivem sob tensão há meses. Já o L'Equipe informou que houve desentendimentos até a decisão final. Neymar e o seu estafe já estavam convictos da necessidade da operação na terça (27), mas o clube confirmou o procedimento só no final da tarde do dia seguinte.

Segundo Emery, o desdobramento do caso foi normal. "Foi uma lesão que pode acontecer com qualquer jogador. Quando é um jogador como Neymar, são muito mais notícias. Internamente falamos com nossos médicos, depois com a da seleção brasileira, depois o presidente falou comigo. Tivemos a lesão e depois tomamos a decisão. Procuramos fazer o melhor para a equipe e para ele", disse.

"Primeiro foi uma entorse, depois foi constatada uma fissura, se é menos ou mais grave, eu não sei. Vi a radiografia, não sei interpretar se há uma fratura ou não. O que vi foi uma fissura no quinto metatarso. A partir daí veio um médico do Brasil e tivemos conversas. Algumas coisas que foram antecipadas não aconteceram, outras sim. Esperamos que Neymar fique o menor tempo afastado, mas precisamos dar uma resposta sim", afirmou.

Diante da situação, Emery evitou falar sobre uma nova previsão para volta. O treinador chegou a dizer na terça que tinha esperança de vê-lo em campo contra o Real Madrid, no dia 6 de março. Mas, na quinta (1º), o médico da seleção brasileira, Rodrigo Lasmar, afirmou que a recuperação pode demorar até três meses, o que significaria o fim da temporada de Neymar pelo PSG.

"Fiz a primeira reunião na terça para falar sobre a lesão, e depois de conversar com médico, falei com o Neymar também. Na quarta ele veio aqui e esteve conosco, conversamos com todos os jogadores e estafe, é normal. Vamos esperar. Em todas as lesões não sabemos dizer quantos meses [de recuperação]. Tudo depende de como o jogador vai progredir. Mas hoje temos muito otimismo, é um jogador importante e esperamos que ele se recupere o mais rápido possível", disse.

Colunas

Contraponto