07h : 01min

Assine o Diário e o Santista por R$8 por mês no plano atual

Fundo Social de Guarujá promove Teatro Solidário neste sábado (10)

A entrada para o espetáculo Querô será 1kg de alimento ou 1 litro de leite, que será destinado ao Fundo Social da Cidade

Comentar
Compartilhar
08 JUN 2017Por Da Reportagem19h30
Querô - Uma Reportagem Maldita é um romance brasileiro escrito por Plínio Marcos em 1976, que foi adaptado ao teatro por Alan QueirozFoto: Divulgação/PMG

A Secretaria de Cultura de Guarujá, em parceria com o Fundo Social de Solidariedade do Município, promove o Teatro Solidário neste sábado (10).Na ocasião, os munícipes poderão adquirir ingressos para assistir a peça Querô - Uma Reportagem Maldita, com a doação de 1 kg de alimento não perecível ou 1 litro de leite integral. O evento acontece no Teatro Procópio Ferreira (Avenida Dom Pedro I, 350) a partir das 21 horas.

Os donativos recolhidos serão destinados às instituições atendidas pelo Fundo Social. Os ingressos devem ser retirados na Secretaria de Cultura, localizada no Teatro Procópio Ferreira, que funciona das 8 às 18 horas, ou no dia do evento.

Querô - Uma Reportagem Maldita é um romance brasileiro escrito por Plínio Marcos em 1976, que foi adaptado ao teatro por Alan Queiroz. A montagem narra a história do Querô, um menor abandonado que luta, a seu modo, para livrar-se de um destino de miséria e injustiças que impõe uma sociedade "cega" para seus filhos e suas atitudes.

Durante o romance constrói-seum universo repleto de seres em busca de um pouco de afeto, dignidade e humanidade; no qual as muitas histórias de sofrimento apontam, livres de qualquer julgamento, as inúmeras facetas e potências do espírito humano, característica primordial da obra grandiosa de um dos maiores dramaturgos brasileiros e do mundo.

Neste espetáculo, morte e vida, desespero e esperança, agressividade e delicadeza caminham lado a lado, demonstrando que o ser humano é complexo, dono de desejos puros e espurcos, às vezes, incompreensíveis. Ademais do "grito" de angústia e de liberdade social, que se eleva das personagens, há o "grito" íntimo, secreto, que identifica cada alma, numa anelante busca de si mesma.

Colunas

Contraponto