Sindicato vai discutir jornada e demissões em assembléia

Mudança na escala de trabalho na Moinho Santos (Bunge Alimentos) poderá ocasionar 22 demissões

Comentar
Compartilhar
31 JAN 201323h04

Diante do impasse no acordo para mudança na jornada de trabalho semanal entre a Moinho Santos e o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias e Alimentos de Santos e Região, a questão será discutida com a categoria em assembleia, na sede do sindicato, amanhã, a partir das 18 horas. O objeto do acordo em negociação é a implantação da jornada de 40 horas semanais, que poderá custar a demissão de 22 funcionários.

A Moinho Santos, administrada pela Trigo-Brasil do Grupo Bunge Alimentos, planeja implantar a partir do dia 3 de agosto, a escala 6X1(trabalha seis dias e descansa um), o que reduzirá o quadro de pessoal para cerca de 80%.

A medida, segundo informou a empresa, em nota, na última segunda-feira, é para reduzir custos. A Moinho Santos justifica que a crise econômica mundial ocasionou queda nas exportações de trigo e derivados, e conseqüentemente a redução na produção de farinha de trigo.

Segundo o presidente do sindicato, Adelson Vila Nova, atualmente a jornada semanal é de 12h x 36h. Porém, em reunião realizada entre o sindicato e representantes da empresa, na última terça-feira, o sindicato propôs à empresa a jornada de 40 horas semanais em lugar da escala 6X1 e sugeriu um Plano de Desligamento Voluntário (PDV) com prêmio.

Adelson explicou que a implantação da jornada de 40 horas levaria à dispensa de funcionários, por isso foi pedido à empresa que estude a implantação do PDV.

Segundo ele, a Moinho de Santos acenou para uma possível demissão de 22 trabalhadores, com a implantação da jornada de 40 horas. A empresa não confirma o número de funcionários que poderão ser demitidos ou quando ocorrerão os cortes.

“Nós não aceitamos discutir demissão”, enfatizou Adelson. Adelson afirmou que caso a empresa efetue as demissões, será mantida a escala 12hX36h, conforme reza acordo de trabalho. “A escala 12hX36h tem vigência por mais de um ano ainda e caso ocorram as demissões, vamos manter essa escala”.

Por meio da assessoria de imprensa, a empresa manifestou na quarta-feira passada que não comentará sobre a sugestão do PDV e mantém sua posição informada na última segunda-feira.