X
Sindical e Previdência

Sindest vai propor estado de greve

O presidente do sindicato, Fábio Marcelo Pimentel, quer deixar claro ao Poder Executivo que a greve poderá ser deflagrada a qualquer momento

Próxima assembleia está marcada para a noite da próxima terça-feira (6) / Divulgação/Paulo Passos

Em assembleia marcada para a noite da próxima terça-feira (6), a diretoria do Sindicato dos Servidores Municipais Estatutários de Santos (Sindest) vai propor ‘estado de greve’, precedida de paralisações setoriais, para pressionar a Prefeitura a melhorar a proposta do acordo salarial deste ano. O presidente do sindicato, Fábio Marcelo Pimentel, quer deixar claro ao Poder Executivo que a greve poderá ser deflagrada a qualquer momento.

Na última sexta-feira (23), a categoria recusou 2% de reajuste na data-base de fevereiro, mais 1% em agosto. O sindicalista está irritado com o prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) e com o secretário de Gestão, Carlos Teixeira Filho, o Cacá, que anunciaram o envio de projeto de lei à Câmara para oficializar a proposta recusada em assembleia.

“A categoria merece respeito. Enquanto as negociações não forem encerradas democraticamente, eles não deveriam dar o caso por encerrado, levando essa proposta miserável de acordo coletivo ao Legislativo, onde têm maioria de votos”, afirmou Fábio Pimentel.

Sem ter ainda claro quando poderá ser decretada a greve, o presidente do Sindest defende que as paralisações setoriais comecem já na semana que vem, após a assembleia de terça-feira. “Paralisaremos todos os setores, um por um, conscientizando o pessoal para a greve”. A proposta da Prefeitura recusada em assembleia estabelece correção de 3% na cesta-básica, de R$ 263,00, e outros 3% no auxílio-alimentação, de R$ 422,00. O sindicato contrapropõe reajuste salarial de 3% em fevereiro e 2% em julho, além de 100% na cesta e na alimentação.

Outro sindicato

A direção do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Santos (Sindserv) também não concorda com a proposta do Executivo, por acreditar que os servidores merecem, no mínimo, o dobro. “Não houve redução de arrecadação. Estão enxugando a folha de pagamento e para ter dinheiro para organizações sociais e empreiteiras que não são da cidade. Queremos 7,95%, que nada mais é do que a inflação oficial (2,95%) mais 5% de perdas”, afirmou Flávio Saraiva, presidente do Sindserv.

O diretor Cássio Canhoto enfatizou que a inflação não é sequer real e o funcionalismo de Santos vem acumulando perdas. “Além disso, os números oficiais mostram que as despesas com pessoal vem caindo e não vem acompanhada com a realização de concursos e valorização dos servidores. No ano passado, a proposta foi zero de reajuste. O PSDB é um verdadeiro incubador de Os’s e empresas”, desabafa.

Além dos 7,95%, o sindicato quer a correção do valor do auxílio alimentação para R$ 26,00 ao dia, totalizando R$ 572,00 por mês e a extensão do benefício ao segundo registro dos servidores com dois registros funcionais.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Esportes

Taça das Favelas Guarujá abre inscrições

Torneio promete mobilizar mais de mil adolescentes de comunidades da cidade

Cotidiano

Travessias Litorâneas não terão tarifas reajustadas pelo quarto ano consecutivo

Governo de SP mantém investimentos constantes nas travessias, garantindo mais agilidade e confiabilidade

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software