Servidores paralisam unidade na Rua Dom Pedro II

Em campanha salarial, a categoria protesta contra a proposta apresentada pela ­Prefeitura

Comentar
Compartilhar
22 MAR 2018Por Da Reportagem21h43
Os servidores de Santos realizaram paralisação hoje no período da manhãFoto: Divulgação/Sindserv

Os servidores de Santos que trabalham no prédio da Rua Dom Pedro II, 25, no Centro, fizeram uma paralisação hoje no período da manhã. Em campanha salarial, a categoria protesta contra a proposta apresentada pela ­Prefeitura.  

Na última assembleia, a categoria decidiu que o Sindserv Santos deveria fazer paralisações por local de trabalho de uma hora ou mais (dependendo da vontade dos trabalhadores). O sindicato compareceu no último dia 19 no prédio da Rua Dom Pedro (ao lado da Prefeitura, na Praça Mauá, e reuniu os trabalhadores que decidiram pela paralisação de meio período nessa quinta-feira.

Segundo o sindicato da categoria, os servidores resolveram não paralisar na própria segunda-feira para dar tempo de avisar a população que é atendida no local, que abriga: Sala do Empreendedor Santista, Departamentos de Administração Tributária (DEATRI), de Fiscalização das Receitas (DEFREC) e de Gestão da Tecnologia de Informação e Comunicações (DETIC).

Ainda de acordo com o sindicato, foi explicado aos munícipes, no local, os motivos do descontentamento dos servidores com o governo. “Enquanto a Despesa com Pessoal está com apenas 45,94% (índice mais baixo da história da cidade) a arrecadação do município aumenta a cada ano (acima da inflação). Portanto, o governo pode melhorar e muito a sua atual proposta (2% de reajuste salarial retroativo à fevereiro, mais 1% somente em agosto)”, informa o Sindserv.

Reivindicações

A categoria reivindica 7,86% de reajuste salarial (2,86% da inflação + 5% de perdas passadas), mas a Administração Municipal ofereceu 2% em fevereiro + 1% em agosto (não sendo retroativo). A categoria rejeitou a proposta.

Já em relação ao auxílio alimentação, a categoria reivindica R$ 26,00/dia (R$ 572,00/mês) e a extensão do benefício ao segundo registro dos servidores com dois registros funcionais. Atualmente, os servidores recebem R$ 19,20/dia (R$ 422,40/mês), quem tem dois registros só recebe um. A Prefeitura propôs R$ 19,77/dia (R$ 435,07/mês) e continuar recebendo apenas um quem tem dois registros. A proposta foi rejeitada.

Já sobre a cesta básica, a categoria pede R$ 380,17, extensivo a todos os cargos da Prefeitura, ativos e inativos, e ao segundo registro dos servidores com dois registros funcionais. A primeira proposta do governo municipal foi de R$ 271,30 e continuar apenas para quem já recebe, mas foi rejeitada. A segunda proposta foi de R$ 280,00, para ativos até o nível P e inativos até 4 salários mínimos, também recusada pela categoria. Atualmente, a cesta básica é de R$ 263,40 para ativos até o nível P e inativos até 3 salários mínimos.

A pauta de reivindicações completa pode ser conferida no link http://sindservsantos.org.br/assembleia-rejeita-nova-proposta-do-governo/.