Reajuste para aposentados tem votação adiada na Câmara

Projeto foi retirado de pauta, mais uma vez, frustrando quase 10 milhões de aposentados

Comentar
Compartilhar
18 MAR 201512h20

Cerca de dez milhões de aposentados e pensionistas do INSS, que ganham acima do salário mínimo, terão que esperar para saber se terão direito ao reajuste, idêntico aos índices concedidos ao salário mínimo (inflação mais 50% do PIB dos dois anos anteriores). É que a Câmara Federal não conseguiu votar ontem, conforme estava previsto em pauta, o projeto de lei que estende o benefício à categoria..

O  Projeto de Lei 7.469/14,  que estende até 2019 a atual política de valorização do salário mínimo, prevendo o reajuste pela variação real do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes e pela inflação acumulada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior, foi retirado de pauta, em nova manobra da ala governista da Câmara.

O adiamento, que vem ocorrendo há duas semanas, irritou parlamentares dispostos a aprovarem o projeto para recompor parte das perdas dos aposentados e pensionistas. Deputados do PSDB e do Psol criticaram a obstrução governista que teve o objetivo de adiar a votação do projeto.

Projeto poderá ser votado na sessão de hoje (Foto: Divulgação)

Um dos mais revoltados pelo novo adiamento era o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB/SP). Por volta das 19 horas, a reportagem do Diário do Litoral, conseguiu falar, por telefone, com o parlamentar que se encontrava em plenário votando o projeto de lei das domésticas. Ele foi enfático: “O PT manobrou para adiar o projeto. Houve inversão de pauta para que a lei das domésticas fosse votado antes. Vamos ver como vai ficar a pauta de amanhã (hoje), mas é um absurdo esse constante adiamento, pois os aposentados mantêm a expectativa de um aumento real para repor parte das perdas em seus benefícios”, disse Faria de Sá.

O deputado Nilson Leitão (PSDB-MT) disse que o PT perde oportunidade de cumprir uma promessa história de valorização da aposentadoria. “O PT cresceu defendendo estas bandeiras e, agora que está com a caneta na mão, pode defender o pensionista e aposentado, mas vira as costas”, disse.

O líder do Governo, deputado José Guimarães (PT-CE),  com  aval dos partidos da base, conseguiu retirar o projeto da pauta.