Desempregados voltam a protestar no Polo Industrial de Cubatão

Dezenas de pessoas, que lutam pela volta de empregos no Polo Industrial, interditaram essas estradas para impedir o fluxo de veículos em direção ao polo industrial

Comentar
Compartilhar
17 MAR 201511h25

Sob os gritos de “queremos emprego”, trabalhadores desempregados do Polo Industrial de Cubatão, fizeram nova manifestação, na manhã de ontem. O protesto causou  transtorno com congestionamento no trânsito, na entrada e saída cidade, tanto na  Avenida Nove de Abril, como também na Rodovia Cônego Domênico Rangoni, que liga Cubatão a Guarujá e na Via Anchieta.

Dezenas de pessoas, que lutam pela volta de empregos no Polo Industrial, interditaram essas estradas para impedir o fluxo de veículos em direção ao polo industrial.

Diretores do Sintracomos, que acompanharam de perto o movimento, estão  solicitando medidas  junto a Prefeitura e Câmara de Cubatão, para que haja garantias de emprego aos moradores de Cubatão, que estão perdendo vagas de trabalho, no Polo Industrial, para pessoas vindo de fora da região.

Após a manifestação, os trabalhadores seguiram em direção ao Paço Municipal de Cubatão, solicitar providências para a abertura de novas vagas de empregos. Amanhã haverá concentração da categoria para acompanhamento da sessão na Câmara  de Cubatão, que vai debater o assunto.

Desempregados lutam por vagas nas indústrias (Foto: Matheus Tagé/DL)

O Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP) disponibilizou, na semana passada, 105 vagas de emprego, mas a direção do Sintracomos e os desempregados, dizem que  elas  são poucas, pois centenas de pessoas perderam seus empregos no polo industrial.

Decisão

A direção do Sintracomos espera que haja uma solução sobre o problema, ainda nesta semana. A mobilização dos trabalhadores começou na última quinta-feira e prosseguiu na sexta.

Em protestos seguidas de passeatas, os, trabalhadores  fizeram manifestação reivindicando  novas vagas de emprego no setor. Ainda na quinta-feira, foram oferecidas 105 vagas, consideradas insuficientes pelos manifestantes, que prometem continuar a mobilização até que o impasse seja solucionado.

Para o presidente do Sintracomos, Marcos Braz de Oliveira, Macaé, a abertura de novas vagas , foi o primeiro êxito da luta dos desempregados.  “De repente, do nada, apareceram as 105 vagas”, disse, na quinta  o presidente do Sintracomos.

Caso o impasse persista, um novo protesto pode ocorrer amanhã.