Portuários estão com empregos ameaçados

Sindicalistas correm atrás de deputados para colocarem emendas na MP

Comentar
Compartilhar
13 DEZ 201216h16

Acionar os deputados  para colocarem emendas na  Medida Provisória 595, publicada na última sexta feira, e que  revoga a Lei 8.630/93 que regulamentava o setor portuário, e também a Organização Internacional do Trabalho (OIT), para cobrar do Governo Federal as garantias ao mercado de trabalho., são essas as duas frentes de luta prioritárias dos trabalhadores portuários e avulsos.

As categorias não escondem a preocupação e também revolta com a MP  que praticamente revoga a Lei de Modernização dos Portos e institui também uma série de medidas para  atrair investimentos para a atividade.
 
Sindicalistas dizem que a presidente Dilma Rousseff, ao fazer o anúncio do programa de investimento, disse que ele não traria prejuízos aos trabalhadores que teriam seus direitos respeitados.
 
Os presidentes das três federações de trabalhadores (estiva, portuários e avulsos), pretendem também cobrar um posicionamento da Organização Internacional do Trabalho(OIT), Ao permitir que os terminais de uso privativo executem operações portuárias sem utilizar trabalhadores registrados no Ogmo, o governo federal brasileiro descumpre a Convenção 137 da OIT.
 
A MP institui uma série de medidas para atrair investimento para os portos. (Foto: Matheus Tagé/ DL)
 
Categorias procuram os deputados para as emendas
 
Até decisão em contrário, os trabalhadores portuários e avulsos ainda estão em estado de greve que foi decretado bem antes do anúncio oficial das novas regras nos portos. Os sindicalistas se reuniram na terça-feira (13), no Sindaport, em Santos, para decidir os próximos passoas das categorias,, uma vez que as federações têm até amanhã para sugerir emendas aos deputados federais.
 
Segundo o presidente do Sintraport, Robson  Apolinário, a manutenção do mercado de trabalho foi o principal ponto debatido . Já o sindicalista Valdir Pestana, do Sindicato dos Rodoviários, diz que   a preocupação é grande. “Temos que garantir o mercado de trabalho das categorias, pois do contrário elas serão desmanteladas pelo novo modelo portuário. O momento é mais do que nunca de união e muita mobilização”