Banner gripe

Pela primeira vez, expectativa de vida cai e muda fator para melhor

Sobrevida do brasileiro teve redução de 83 dias e ganho nas aposentadorias é de 0,31%

Comentar
Compartilhar
30 NOV 201214h46

 

De forma inédita, o fator previdenciário, índice aplicado no cálculo das aposentadorias, irá mudar para melhor a partir de amanhã. Essa será a primeira vez que isso ocorre, desde  a criação do fator previdenciário, em 1999. 
 
O índice é baseado em cálculo que varia de acordo com a idade do segurado, seu tempo de contribuição e a expectativa de sobrevida da população, calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 
 
Ontem, o IBGE divulgou a nova expectativa de vida do brasileiro, que subiu para 74 anos, para quem nasce, mas teve queda na sobrevida. Foram incorporados os dados do Censo de 2010. Segundo os cálculos do instituto, no período de 52 a 80 anos a expectativa de sobrevida teve redução média de 83 dias, o que provocou um ganho de 0,31% , em média, nas aposentadorias.

No ano passado, houve redução média de 0,42% no valor do benefício, o que causou muitas reclamações e protestos de quem estava prestes a se aposentar, e que acabou sendo prejudicado. 

Para quem pretende fazer o requerimento, os postos do INSS funcionam até 17 horas (Foto: Luiz Torres/DL)
 
Exemplos
 
Um homem com 55 anos de idade e 35 anos de contribuição, por exemplo, poderia ter 17 dias a menos de tempo de contribuição para receber um benefício de mesmo valor. O fator previdenciário, neste caso, teve uma pequena alteração. Passou de 0,715 para 0,716. Já um homem de 60 anos de idade e 35 anos de contribuição teria o fator aumentado de 0,867 para 0,873 e poderia trabalhar 71 dias a menos para receber o mesmo benefício. 

Uma mulher de 58 anos de idade e 30 de contribuição teria o fator aumentado de 0,801 para 0,805 e poderia ter 45 dias a menos de contribuição para ter um beneficio de mesmo valor. Dados da Previdência Social mostram que, de janeiro a outubro de 2012, das 254 mil aposentadorias concedidas por tempo de contribuição, 175 mil foram para pessoas com 52 anos ou mais.

Colunas

Contraponto