Vinte detidos são transferidos após motim no 5ºDP de Santos

Superlotada devido à greve no sistema penitenciário, cadeia anexa ao 5º DP de Santos teve motim na quinta

Comentar
Compartilhar
21 MAR 201423h44

Vinte detidos da cadeia anexa ao 5º Distrito Policial de Santos foram transferidos ontem para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de São Vicente. Na noite da última quinta-feira, a cadeia estava com 70 detentos e um carcereiro foi mantido refém por mais de quatro horas.

O funcionário só foi libertado após negociações dos detentos com representantes da Polícia Civil e do Poder Judiciário. Uma das exigências dos presos para a libertação do carcereiro foi a entrada da Imprensa na cadeia, o que ocorreu logo após a soltura do refém. Os detidos reclamaram da superlotação e da falta de infraestrutura do local.

A cadeia tem capacidade para apenas 24 presos. A superlotação ocorre em virtude da greve de funcionários do sistema penitenciário do Estado.

Desde o dia 10 de março, 16 mil agentes estão com os braços cruzados, o que impede transferências de detentos de delegacias para centros de detenção e penitenciárias.

Detidos usaram cabo de escova de dentes e prego para ameaçar carcereiro (Foto: Luiz Torres/DL)

O delegado seccional de Santos, Rony da Silva Oliveira, afirma que a única solução para a resolver o problema de superlotação no 5º DP de Santos e demais cadeias da Baixada Santista é o fim da greve dos agentes penitenciários. “Eu tenho esperança que isso se resolva logo”, disse. Oliveira ressaltou que o 5º DP é uma cadeia de trânsito de presos, onde os presos ficam poucos dias até serem transferidos para o sistema prisional.

“Essa cadeia tem uma média de 20 presos. Quando eu tenho 20, num local que comporta 24, eu tenho uma boa condição”, afirma o delegado.

A manutenção de presos no distrito da Zona Noroeste gera queixas há muitos anos de moradores daquela região. “O ideal seria que eles (presos) entrassem direto no sistema penitenciário”, afirma o delegado Rony Oliveira.