Bingo é fechado na Ponta da Praia, em Santos

Mais de 30 máquinas foram apreendidas. Ação foi deflagrada pelo Ministério Público, com apoio da PM. Duas mulheres que seriam responsáveis pelo local foram ouvidas no 3º DP de Santos

Comentar
Compartilhar
19 MAR 201420h50

Uma ação do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) – Núcleo Santos –, com apoio da Polícia Militar, fechou, na tarde de terça-feira, um videobingo clandestino que funcionava em uma casa na Rua Governador Fernando Costa, na Ponta da Praia, em Santos. Trinta e seis máquinas de caça-níqueis foram apreendidas.

Duas mulheres, de 39 e 32 anos, supostas responsáveis pelo local, foram conduzidas para o 3º Distrito Policial (Ponta da Praia) juntamente com outras cinco pessoas que estavam no videobingo. Os apostadores foram relacionados como testemunhas no boletim de ocorrência de jogo de azar. Já as supostas responsáveis pelo jogo ilegal constam como averiguadas no registro do caso. Elas foram ouvidas e liberadas.

Máquinas ligadas

O videobingo funcionava no andar superior da casa. No momento da chegada dos policiais, as máquinas estavam em pleno funcionamento.

Com uma das mulheres apontadas como responsáveis pelo videobingo, R$ 820,00 foram apreendidos. Na área que funcionava como “caixa”  do videobingo mais R$ 119,00 foram recolhidos.

Jogo ilegal ocorria no andar superior de um imóvel na Rua Governador Fernando Costa (Foto: Matheus Tagé/DL)

Polícia Civil detém jovem no Macuco

Policiais da Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes (Dise) de Santos detiveram um adolescente de 17 anos por tráfico no Macuco. Enquanto o jovem era conduzido à delegacia especializada, no Centro de Santos, tentou escapar da viatura, sendo necessária uma ação para contê-lo.

Após denúncia sobre o adolescente, os policiais civis fizeram diligência, na noite de terça-feira, e o abordaram quando ele fumava maconha.

Em vistoria na casa dele, na Rua Batista Pereira, os investigadores encontraram 40 gramas de crack a granel e 15 pedras da droga.

O ato infracional de tráfico foi registrado pelo delegado Hilton da Silva Alonso, assistente da Dise.